Prefeitura quer construir poços artesianos para suprir falta d´água

De acordo com a Sabesp, o sistema Cantareira nesta terça opera com 7,8% de sua capacidade, o menor de sua história

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A Prefeitura de São Paulo decidiu abrir uma licitação para fazer uma pesquisa de preços com empresas que fazem poços artesianos. Segundo a Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, será feita uma ata de registro de preços para caso falte água na cidade, os poços possam ser construídos com mais agilidade nas 32 subprefeituras da cidade.

De acordo com a pasta, não há uma data para que a medida seja colocada em prática. A ata de registro de preço deve ser concluída em um mês, conforme antecipou nesta terça-feira (23) o jornal "O Estado de S. Paulo". A ata de registro de preços tem validade de um ano.

A secretaria diz que a licitação é uma precaução da administração municipal em caso de desabastecimento. De acordo com a Sabesp, o sistema Cantareira nesta terça opera com 7,8% de sua capacidade, o menor de sua história. Na segunda-feira (22), era de 8%.

A Sabesp não fala oficialmente em racionamento de água, mas em um relatório enviado à Promotoria reconhece os cortes de água.

Obra para melhorar captação

A Sabesp anunciou na segunda que uma obra deve aumentar em 10,7 pontos percentuais a capacidade de reserva do sistema Cantareira. No entanto, a captação da água da segunda etapa do "volume morto" deve ser liberada por órgãos reguladores como a ANA (Agência Nacional de Águas) e o Daee [órgão regulador paulista].

O Cantareira é o principal fornecedor de água para a Grande São Paulo e passa por uma crise sem precedentes desde o início do ano.

Com a nova obra, o sistema poderá aumentar em 106 bilhões de litros de água, segundo a empresa. Caso a segunda etapa do "volume morto" fosse implantada nesta segunda, o índice seria elevado a 18,7%. Há um ano, esse índice era de 42,3%.

Previsão do tempo

Segundo o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergência), da Prefeitura de São Paulo, a região metropolitana deve ter chuvas mais intensas apenas depois das eleições de outubro.

Mesmo com a chegada da primavera, nesta segunda-feira (22), nenhuma mudança drástica do tempo deve ocorrer. No início da estação, ainda será comum o registro de períodos de tempo seco e baixos índices de umidade relativa do ar.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave