Árbitro relata, e bombas podem complicar rivais mineiros

Em outubro do ano passado, também no returno, o clássico foi marcado por confusão da torcida e agora ambos os clubes podem ser caracterizados como reincidentes

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Na súmula do jogo, árbitro do clássico relatou que as duas torcidas soltaram bombas
CBF/ REPRODUÇÃO
Na súmula do jogo, árbitro do clássico relatou que as duas torcidas soltaram bombas

No campo, o Atlético saiu vitorioso no clássico contra o Cruzeiro, domingo à tarde, no Mineirão. Fora dele, os dois arquirrivais mineiros podem ser duplamente derrotados. Afinal, o árbitro Fifa Marcelo de Lima Henrique citou na súmula da partida que as torcidas dos dois times soltaram bombas durante a partida no Mineirão.

"Interrompi a partida aos 41 minutos do primeiro tempo, após ouvir estouros de artefatos explosivos que vinham da divisa das duas torcidas", escreveu o árbitro na súmula do clássico, vencido pelo Atlético por 3 a 2.

Marcelo de Lima Henrique cita ainda que paralisou o jogo na ocasião, solicitou providências, e os incidentes não voltaram a acontecer. "Ao final da partida fui informado pelo Sargento PM Bárcaro, comandante do policiamento interno do estádio, que os artefatos explosivos foram lançados pelas torcidas Galoucura (do Atlético) e Pavilhão Independente (do Cruzeiro), uma contra a outra, não sabendo precisar quem iniciou o citado confronto".

Em outubro do ano passado, também em jogo válido pelo segundo turno do Brasileirão, a torcida do Cruzeiro brigou entre si no Independência e os dois clubes foram punidos. O Cruzeiro perdeu dois mandos de campo, enquanto o Atlético (por ser dono da casa) levou um jogo de punição. Agora, ambos são reincidentes.

Leia tudo sobre: atleticocruzeirobombastorcidasarbitrorelatosumulapodeprejudicartimesbrasileiroclassico