Inteligência deve ser resposta à provocação

iG Minas Gerais |

Dilma tem tentado quebrar o semblante fechado de mau humor
Ichiro Guerra/dilma 13/divulgação - 11.9.2014
Dilma tem tentado quebrar o semblante fechado de mau humor

A arte do improviso é um dos principais pontos de treinamento de mídia dos políticos. Sob pressão, candidatos precisam trabalhar não apenas a postura corporal, a coesão e a clareza do discurso e a entonação. É preciso ter inteligência emocional para suportar armadilhas de adversários e reagir com raciocínio rápido.

“Normalmente, acontece provocação para desestabilizar emocionalmente o candidato”, lembra o especialista em media training Reinaldo Passadori.

Em debate na TV promovido pela CNBB há uma semana, por exemplo, a candidata à Presidência pelo PSOL, Luciana Genro, atacou o tucano Aécio Neves (PSDB) associando-o à corrupção. Ele respondeu com uma provocação, dizendo que ela atuava como “linha auxiliar do PT”. A candidata rebateu com a expressão “uma ova” e o atacou ainda mais. Analisas avaliaram que ela levou a melhor. (DM)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave