Viúva de Campos se emociona ao gravar programa eleitoral para a TV

Aa ex-primeira-dama gravou ao menos dois depoimentos escritos por ela mesma, para que o discurso tivesse um tom mais pessoal

iG Minas Gerais | Folhapress |

Um homem que tem ideais e sonhos não morre nunca, diz Renata Campos
MAURO FILHO/FRAME/FRAME/ESTADÃO CONTEÚDO
Um homem que tem ideais e sonhos não morre nunca, diz Renata Campos

Viúva do ex-governador Eduardo Campos, Renata Campos, 47, se emocionou na manhã desse sábado (20) ao gravar depoimentos para o programa eleitoral de Paulo Câmara (PSB), escolhido pelo marido para disputar o governo de Pernambuco.

É a primeira vez que Renata participa especificamente de programas de TV. A reportagem apurou que a ex-primeira-dama gravou ao menos dois depoimentos escritos por ela mesma, para que o discurso tivesse um tom mais pessoal.

Segundo um integrante da campanha, ela disse conhecer Câmara e afirmou que ouvia o marido falar muito da "determinação" de seu escolhido, que já havia sido secretário das pastas de Administração, Turismo e Fazenda durante os dois governos de Campos.

Poucas pessoas acompanharam as gravações que aconteceram na sala e na varanda da casa onde Renata e os cinco filhos do casal vivem. A campanha ainda não decidiu se vai usar o trecho em que a viúva se emociona, pois temem que as peças publicitárias fiquem apelativas.

Além de gravar para Câmara, Renata também filmou depoimento para Fernando Bezerra (PSB-PE), ex-ministro de Dilma Rousseff que tenta o Senado na chapa do PSB. Os primeiros programas de Câmara exploraram muito a morte de Campos e a relação que o ex-governador morto em um acidente aéreo em agosto tinha com o candidato. Um discurso feito por Renata em um ato do PSB em agosto, um dia após o sepultamento do ex-governador, já havia sido usado pela campanha.

Na onda de comoção e intitulando-se "herdeiro" e "sucessor" de Campos, Paulo Câmara saltou, em um mês, de um distante segundo lugar para a liderança nas intenções de voto. Segundo o Ibope, ele começou a disputa 35 pontos atrás do senador Armando Monteiro Neto (PTB-PE), com apenas 8% das intenções de voto em 2 de junho.

Na mais recente pesquisa, divulgada no último dia 16, Câmara aparece com 38%, enquanto Monteiro Neto tem 32%. Já na disputa pelo Senado, Bezerra cresceu e chega a 27%, mas ainda não conseguiu ultrapassar o ex-prefeito do Recife João Paulo (PT-PE), que lidera com 32%.

RENATA NA CAMPANHA

Logo após a morte de Campos, havia uma expectativa do PSB de que Renata atuasse na linha de frente da campanha. Tímida e discreta, ela sempre atuou nos bastidores do partido. A opinião da economista sempre foi levada em consideração e continua sendo assim, segundo integrantes da campanha.

A viúva de Campos chegou a ser cotada para vice na chapa presidencial que passou a ser encabeçada por Marina Silva (PSB). O presidente nacional da legenda, Roberto Amaral, chegou a dizer que ter Renata como vice seria a "candidatura dos sonhos".

Mas Renata declinou o convite e a vaga foi ocupada pelo deputado Beto Albuquerque (PSB-RS).

Desde a morte do ex-governador de Pernambuco, Renata apareceu em apenas dois eventos políticos: uma reunião do PSB local para reafirmar a candidatura de Câmara, no dia seguinte ao sepultamento de Campos, e no lançamento da campanha de Marina no Recife, em 23 de agosto.

Enquanto o filho homem mais velho do casal, João, 20, tem acompanhado alguns atos de Câmara e até discursado, Renata discursou apenas no primeiro ato e depois manifestou-se uma vez pelas redes sociais.

No último dia 13, um mês após a morte do marido, ela escreveu para ele no Facebook e publicou uma foto em que a família aparece reunida em casa.

"Está sendo belo, Dudu, ver que você se tornou aquilo que acreditava. Você se transformou em seus ideais. Sua vontade de melhorar a vida das pessoas, sua luta e sua resistência se transformaram em coragem pra mudar. O homem se tornou ideia", afirmou a ex-primeira-dama, que se recusa a dar entrevistas.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave