Forças Armadas admitem tortura e mortes

Em documento, Defesa afirma que não pode negar crimes

iG Minas Gerais |

Ofício foi encaminhado pelo chefe da Defesa, Celso Amorim
Antonio Cruz / Agência Brasil
Ofício foi encaminhado pelo chefe da Defesa, Celso Amorim

Brasília. O ministro da Defesa, Celso Amorim, encaminhou à Comissão Nacional da Verdade (CNV) ofícios das três Forças Armadas admitindo, pela primeira vez, que não têm condições de negar a ocorrência de graves violações aos direitos humanos em instalações militares durante a ditadura.

O comando da Aeronáutica afirma não ter elementos para contestar que houve graves violações nem evitar o reconhecimento da responsabilidade do Estado. A Marinha alega que não tem provas para negar nem confirmar as violações apontadas pela CNV.

O ofício do Comando do Exército não contradiz os dados de violações fornecidos pela comissão, alegando que não seria pertinente contestar decisões já tomadas pelo Estado brasileiro (que já reconheceu a existência de torturas e mortes no período) nem as circunstâncias configuradas em lei neste sentido.

Foi uma referência à lei que concedeu indenização às vítimas e às famílias de mortos e desaparecidos e à que criou a Comissão da Anistia.

Na avaliação da Defesa, é um passo importante no processo de reconhecimento público, pelas três Forças, de que houve torturas e mortes durante o regime, e que o Estado brasileiro tem responsabilidade pelo ocorrido. A área civil dos sucessivos governos já reconhece essa realidade há anos.

A expectativa é que, em público, a comissão reaja dizendo que é necessário algo mais afirmativo. Nos bastidores, porém, a previsão é que verá boa vontade por parte de Defesa.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave