Responsabilidade e dedicação independentemente do papel

iG Minas Gerais |

Marcos Pitombo estreou na televisão na Globo, na temporada de 2006 de “Malhação”, na pele de Roger, conhecido no folhetim como Siri. Mas foi na Record que encontrou espaço para alçar voos mais altos em sua trajetória na televisão brasileira. Chegou ao posto principal de uma trama como o Rei Assuero, da minissérie bíblica “A História de Ester”, exibida em 2010.

E viveu papéis de destaque, como o José Valente da saga “Os Mutantes” e o Lucas de “Vidas em Jogo”, entre outros personagens. “Vim para a Record visando oportunidade. E tive oportunidades que eu certamente não teria na Globo. Fico muito feliz que minhas escolhas deram certo”, anima-se o ator.

Mesmo assim, Pitombo garante não se preocupar com o tamanho de seus personagens dentro de uma trama. Para ele, independentemente da quantidade de cenas que tem em uma novela, a dedicação precisa ser a mesma de um protagonista. “Acho que tenho de vencer um leão por dia. E acredito no bom profissional, no ator que está sempre estudado, seguro. A partir daí, as coisas vão acontecendo”, opina. (LB)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave