Rebeldes xiitas aceitam acordo para o fim da violência no Iêmen

Os detalhes do acordo aparentemente obtido pelo mediador da ONU não foram revelados; os xiitas do grupo Ansarualah já lutam há uma década contra o governo sunita do Iêmen, reivindicando mais controle e território no norte do país

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Os rebeldes xiitas do grupo Ansarualah concordaram nesta sexta-feira (19) em acabar com os confrontos com os combatentes sunitas do partido Al Islah em Sanaa, indicaram negociadores que participam das conversas mediadas por um representante da ONU.

Por ora, os detalhes do acordo aparentemente obtido pelo mediador da ONU, Jamal Benomar, não foram revelados.

As companhias aéreas chegaram a suspender, na quinta (18) à noite, seus voos ao aeroporto internacional de Sanaa, capital do Iêmen, depois dos violentos confrontos entre os grupos.

"As companhias aéreas árabes e estrangeiras decidiram suspender seus voos a Sanaa por 24 horas devido à situação na capital", anunciou a aviação civil em um comunicado.

Na quinta, quase 40 pessoas morreram em confrontos entre os simpatizantes do partido islamita sunita Al-Islah e o Exército, por um lado, e os rebeldes xiitas de Ansarullah, por outro, no norte de Sanaa, onde se localiza o aeroporto, informaram várias fontes.

Uma fonte militar disse que cerca de 70 combatentes rebeldes foram mortos durante a noite. Moradores disseram que dezenas de corpos estavam espalhados no norte e noroeste da capital, onde aconteceram os confrontos.

O conflito chegou perto da residência privada do presidente Abd Rabbu Mansour Hadi. Centenas de moradores fugiram bairros em conflito e foram para o sul da capital.

Os rebeldes de Ansarullah, que pedem a renúncia do governo, acusado de corrupção, acampam há mais de um mês em Sanaa e em seus arredores, sobretudo na estrada que leva ao aeroporto da capital.

Os três canais da televisão pública iemenita pararam de fazer transmissões nesta sexta devido a intensos disparos contra sua sede em Sanaa, indicou um funcionário do setor audiovisual.

Os rebeldes rejeitaram em agosto uma proposta presidencial sobre a nomeação de um novo primeiro-ministro e uma redução no polêmico aumento dos preços do combustível, duas de suas principais reivindicações.

Os xiitas do grupo Ansarualah já lutam há uma década contra o governo sunita do Iêmen, reivindicando mais controle e território no norte do país.

Leia tudo sobre: ConflitoViolênciaRebeldesXiitasIêmenacordoONUsunitasMundoPolitica