FIA suaviza proibição de mensagens por rádio na F1

Depois de muita reclamação das escuderias, a entidade suprema do automobilismo liberou o uso do rádio para a troca de informações entre engenheiros e pilotos sobre o desempenho do carro

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

F1/DIVULGAÇÃO
undefined

A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) alterou significativamente a sua decisão de proibir comunicações por rádio entre os boxes e os pilotos de Fórmula 1, após as equipes reclamarem e levantarem preocupações sobre as regras. Assim, informações sobre o desempenho do carro estão permitidas pelo restante da temporada, ainda que a proibição da comunicação sobre o desempenho do piloto tenha sido mantida.

Inicialmente, a FIA determinou regras drásticas sob a justificativa de evitar que as equipes, ao invés dos pilotos, controlassem os carros, pois os competidores poderiam alterar as configurações através de pedidos dos engenheiros, além de seguirem instruções sobre o combustível, pneus e uso do freio.

As novas regras deveriam entrar em vigor no GP de Cingapura, neste fim de semana, mas depois de uma reunião entre as equipes e a FIA nesta quinta-feira, a proibição sobre informações do desempenho do carro foram adiadas até 2015.

No entanto, as mensagens que influem na forma de pilotagem dos competidores estão banidas imediatamente. Isso inclui conselhos sobre pontos de frenagem, ajuste do carro para determinadas partes da pista, aceleração e conselhos sobre quando usar a asa móvel.

Parte da razão para a revisão das alterações foi a de que as regras teriam um impacto desigual sobre as equipes. Os carros que têm volantes de alta tecnologia com maior número de dados de telemetria teriam mais condições de fornecer informações aos pilotos do que outros sobre o desempenho do carro - os dados de telemetria não faziam parte da proposta de proibição, apenas as transmissões de rádio.

Assim, a decisão de atrasar até 2015 algumas proibições dará para as equipes mais tempo de preparação dos seus pilotos para lidar com mais responsabilidade para monitorar o desempenho do carro.

Leia tudo sobre: fiaradiorestriçaoautomobilismoformula 1escuderias