Mais nuances e matizes

Combinação de cores é um processo de análise e experimentação aliado ao gosto do morador

iG Minas Gerais | Juliana Siqueira |

Colorido. Espaço projetado por Cátia Maiello e Claudia Aragão aposta no mix de cores
Gustavo Xavier/ Divulgação
Colorido. Espaço projetado por Cátia Maiello e Claudia Aragão aposta no mix de cores
O cinza já recebeu o posto de novo branco na decoração. Há quem diga que o azul agora é o mais novo preto. O vermelho e o verde também não ficam atrás e ganham o status das cores do momento. Além disso, as tonalidades trazem consigo a responsabilidade de transmitir uma mensagem, uma espécie de significado que cada uma possui.   No entanto, para quem trabalha diretamente com isso, esses critérios estão longe de ser os mais importantes. O chamando “feeling”, assim como a emoção que as cores produzem e o gosto pessoal de cada morador são elementos que contam muito para que uma parede seja pintada de uma cor, e não de outra, ou que móveis coloridos sejam pontuados no espaço, mesmo que tenham tonalidades bem diferentes.   “Não tenho dificuldade de usar cor. Gosto de cores fortes, tons encorpados, detesto corzinha. Porém, todas devem ser usadas com parcimônia”, ressalta Alex Meneses, que assina ao lado de Valdejane Portugal o Espaço Varanda da Piscina, na Morar Mais.   Atenção especial Uma das ações de ordem é deixar com que o que atrai os olhos seja valorizado, sem, contudo, ser de uma forma que agrida a visão. Isso não quer dizer, no entanto, que não deve haver certos cuidados na hora de selecionar e utilizar as cores. De acordo com a designer Cláudia Aragão, os elementos de maiores proporções devem receber uma atenção especial, porque são eles que ficarão em evidência.   “Quanto mais colorido, mais autêntico e personalizado será o ambiente. Uma boa referência para criar paletas harmônicas é usar cores análogas, ou seja, tons que são próximos uns dos outros, por exemplo, verde com azul, amarelo com laranja e roxo com lilás, e cores complementares que criam contraste. Exemplo disso é o roxo com amarelo, rosa com verde e azul com laranja”, explica. “A cor alegra, interage, surpreende, emociona. O uso das cores traz mais graça e despojamento. Torna a vida mais leve e divertida”, acrescenta.    Parece, mas não é Análises feitas, gostos pessoais tendo espaço, escolhas realizadas. Nem sempre a combinação desses fatores irá atingir bons resultados em um projeto de decoração. E não quer dizer que isso terá a ver com a harmonização dos tons. Muitas vezes, a falta de um toque especial ou um espaço agradável à vista pode estar diretamente relacionado com a iluminação.   Conforme destaca o arquiteto Cássio Gontijo, há ocasiões em que as cores podem até mesmo ser modificadas de acordo com a luz que há sobre elas. Um tom de vermelho, por exemplo, pode lembrar muito mais um rosa.   “Por isso, é importante fazer testes antes de pintar a casa. Pode-se, por exemplo, comprar um litro de tinta da cor escolhida e pintar uma parte para ver como fica”, diz. Além disso, conforme ele explica, até o tipo de piso ou a madeira dos móveis podem influenciar nessa percepção.   

Leia tudo sobre: coresdecoração