Kombi "estranha" teria sido vista na região onde criança desapareceu

A princípio, o envolvimento do familiar visto em um matagal foi descartado; o próximo passo da investigação é tentar localizar por meio de imagens uma Kombi que estaria rondando o local

iG Minas Gerais | JULIANA BAETA |

Keyla Kelly, 7, foi vista pela última vez na sexta-feira passada
Arquivo pessoal
Keyla Kelly, 7, foi vista pela última vez na sexta-feira passada

Após ouvir familiares da menina Keyla Kelly Gonçalves Neves, de 7 anos, desaparecida na última sexta-feira (12) em Mateus Leme, na região metropolitana de Belo Horizonte, a polícia descartou, a princípio, o envolvimento de um parente da criança que teria sido visto sozinho em um matagal no dia do ocorrido. O próximo passo será tentar localizar por meio de imagens de câmeras de segurança da região uma Kombi que teria sido vista rondando o bairro onde a criança estava e no mesmo horário em que ela teria sumido.

De acordo com o delegado de Florestal, André Luiz Ribeiro, que está respondendo pela delegacia de Mateus Leme, não há uma linha de investigação, apenas uma linha de apuração. “Mas ainda não tivemos resposta positivia em nenhuma das hipóteses”, contou. Há ainda a possibilidade da menina ter sido vítima de um sequestro por estranhos, homicídio, abuso sexual ou ter sofrido um acidente, já que na região há muitas cisternas.

Com o apoio dos bombeiros, as buscas pela menina na região continuam. Além da mãe, já foram ouvidos sete familiares de Keyla, inclusive o parente que foi visto em um matagal, mas nada foi encontrado no local onde ele foi visto.

O próximo passo, é tentar localizar uma Kombi estranha aos moradores da região que teria passado pelo local no dia e horário do desaparecimento da menina. 

Entenda

A menina Keyla Kelly, que morava há alguns meses com a mãe e os dois irmãos, de 3 e 9 anos, em Juatuba, estava em Mateus Leme, local em que morava antes de se mudar, por conta de uma festa da família. A menina estava na casa da avó, que havia acabado de fazer um coque em seu cabelo, quando disse que ia na casa da tia, localizada na mesma rua, a cerca de 50 metros de distância. Depois disso, ela não foi mais vista.

Familiares se mobilizaram para procurar a menina até 3h daquele dia, e reclamaram do descaso da polícia com a situação. Desde então, a mãe da menina está atrás de pistas da filha, e conta que o irmão mais velho dela sente muito a falta da garota. “Ele fica me perguntando ´será que ela está com fome´”, contou a mãe da criança.

Qualquer informação sobre o desaparecimento de Keyla Kelly pode ser passa por meio do Disque-Denúncia 181. A menina foi vista pela última vez no bairro Jardim Alah, em Mateus Leme, com uma camisa cor-de-rosa, estampada com uma boneca, calça de ginástica preta e cinza e um chinelinho cor de rosa. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave