Prefeitura ignora apoio a atletas da ginástica rítmica

Classificadas para campeonato nacional, ginastas não têm recursos para viajarem

iG Minas Gerais | Evandro Teles |

Secretário de Esportes de Betim, Beto do Depósito, é cobrado por desportistas
João Lêus
Secretário de Esportes de Betim, Beto do Depósito, é cobrado por desportistas

A falta de apoio da Prefeitura de Betim a praticamente todas as modalidades esportivas tem provocado uma revolta geral. Desportistas ligados ao jiu-jítsu, tae-kwondo e futsal já demonstraram o seu descontentamento com a falta de estrutura e de recursos para as suas atividades. Agora, pais de atletas da ginástica rítmica denunciam a falta de atenção da Secretaria de Esportes.

Pai da ginasta Maysa Viana, de 10 anos, o policial militar Diego Sulivan, de 27, reclama que a filha irá participar do Torneio Nacional de Ginástica Rítmica, em outubro, em São Luiz, no Maranhão, sem nenhum apoio da prefeitura.

“O descaso já foi sentido durante a disputa do Torneio Regional, em agosto, na cidade de Aparecida do Norte, no interior de São Paulo. Na ocasião, com muita insistência dos pais, o secretário Beto do Depósito liberou apenas o transporte. Outras despesas, como inscrição, estadia e alimentação foram custeadas pelos pais. Das 13 ginastas que disputaram o regional, três conseguiram vaga no evento nacional. Agora, a prefeitura já informou que não vai dar nenhum apoio”.

Com a ajuda das professoras de ginástica rítmica do programa Viva o Esporte, os pais estão tentando viabilizar a compra de passagens aéreas para as três ginastas.

Um torneio nacional de jiu-jítsu, que reuniria 1.000 lutadores, foi transferido de Betim para Belo Horizonte por uma confusão da Secretaria de Esportes de Betim, segundo o professor da equipe Leão Dourado, Sérgio Santiago. “Eles marcaram um campeonato de handebol na mesma data”.

A mãe de um aluno da escolinha de tae-kwondo, integrante do programa Viva o Esporte, também reclamou. “Eles cedem o Ginásio Poliesportivo Divino Braga para tantos eventos, que acabam relegando o esporte para o segundo plano”, revelou a mãe de aluno, que pediu anonimato. Dívidas com taxas de arbitragem no valor de R$ 11.000 também comprometeram a participação de quatro equipes de futsal em torneios estaduais.

A prefeitura informou que devido a situação financeira e orçamentária do município planos de contingenciamento estão sendo feitos e, por conta disso, a Secretaria de Esportes vai arcar, temporariamente, apenas com eventos na própria cidade.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave