Marina defende criação de faixa para Super Simples

Segundo candidata, empresas entram em processo incompatível com capacidade de suporte

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A candidata à Presidência Marina Silva (PSB) defendeu nesta terça-feira, em coletiva, ser favorável à criação de uma faixa de transição para o regime de tributação Super Simples. "Defendo que haja uma faixa de transição", disse a candidata após participar de evento no qual ouviu demandas de pequenos e médios empresários.

Marina argumentou que atualmente 70% das empresas que estão no regime do Super Simples e que tentam migrar para o sistema tributário aplicado a empresas maiores desaparecem ao longo dessa transição. "Quando eles atingem os R$ 3,6 milhões (de faturamento), entram em um processo incompatível com sua capacidade de suporte", afirmou.

A candidata não detalhou mais sobre essa faixa de transição e disse que é uma medida que está sendo estudada por sua equipe, juntamente com a questão da reforma tributária. "Como será criada essa faixa de transição é um esforço que está sendo feito inclusive ouvindo o setor."

Questionada sobre sua fala, durante o evento, sobre leis trabalhistas, Marina reforçou que não usou o termo "flexibilização" e garantiu que as discussões hoje com sua equipe tem como base garantir que não se percam conquistas dos trabalhadores. "O debate será feito sem prejuízo das conquistas que trabalhadores a duras penas conquistaram", afirmou.

"Prefiro a humildade de continuar o debate", respondeu ao ser perguntada sobre quais medidas já foram estudadas em torno do tema. Depois de insistência dos jornalistas, Marina falou em medidas que ajudam a diminuir a informalidade no mercado de trabalho, reforma do sistema previdenciário, além de medidas no âmbito da reforma tributária. Sobre terceirização, respondeu que houve "problemas" durante o governo do PSDB que precisam ser reparados.

AGÊNCIA ESTADO

Leia tudo sobre: eleiçõesmarina silvasuper simples