No MGTV, Pimentel evita defender seu partido

Instado a falar de irregularidades no plano nacional, petista disse que "consensos" são mais importantes que legendas

iG Minas Gerais | Da Redação |

Acusado de esconder o partido em sua campanha ao Palácio Tiradentes, o ex-ministro Fernando Pimentel (PT) evitou defender diretamente a legenda, em entrevista ao "MGTV", na "TV Globo".  Pimentel foi instado a comentar se tem como estratégia de campanha dar pouco destaque ao partido, de modo a evitar a vinculação com escândalos de corrupção n governo federal, tal qual o mensalão e as denúncias de pagamento de propina a políticos da base aliada no caso Petrobras. Em vez de rebater as críticas ao partido, o candidato buscou outra linha. "Minha propaganda fala do PT, os mineiros me conhecem, sabem que eu sou do PT, mas mais importante que partidos são os consensos", disse o candidato, afirmando que faz política acima das divergências partidárias.  Questionado se as acusações contra o partido não pesavam sob sua candidatura, novamente evitou uma defesa direta do Partido dos Trabalhadores. "Não. O eleitor mineiro é maduro, sabe o que quer. Ele sabe o tipo de proposta que temos, que é diferente dos outros candidatos", afirmou o candidato, que prometeu não dar privilégios ao seu próprio partido na montagem da equipe de governo. "Em nenhum momento priviligiarei esse ou aquele partido político", disse o candidato. Apenas no final da entrevista, ainda que de forma indireta, Pimentel tratou do tema com o argumento comumente usado pelo partido no nível nacional. Foi quando afirmou que irregularidades são praticadas por pessoas de todos os partidos, completando que no caso dos aliados, foram julgados e punidos, enquanto "os outros foram beneficiados". Fernando Pimentel ainda precisou falar sobre os processos por improbidade, como os do caso da compra de câmeras do Olho Vivo e a construção de habitações populares em parceria com a Arquidiocese de Belo Horizonte, da Igreja Católica. Ele afirmou que está tranquilo, que não cometeu nehuma irregularidade e que eventuais falhas de parceiros estão sendo apuradas. Além disso, Pimentel ainda negou irregularidades no caso das consultorias prestadas à Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), lembrando que foi inocentado pela Comissão de Ética da Presidência da República. Fernando Pimentel falou sobre a aliança com os tucanos que elegeu Marcio Lacerda (PSB) em 2008. Ele elogiou o primeiro mandato do socialista, feito em parceria com o PT, "tanto que o prefeito foi reeleito", e afirmou que o partido não pode se responsabilizar pelas ações no segundo mandato de Lacerda.