Manifestantes caminham até a sede da Petrobras

Ato no centro do Rio de Janeiro é organizado por centrais sindicais e movimentos sociais

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Cerca de 500 manifestantes se reuniram nesta segunda-feira (15) na Cinelândia, no centro do Rio, em apoio a exploração do pré-sal.

O "Ato em Defesa do Pré-Sal" foi organizado pelo FUT (Federação Única dos Petroleiros), CUT (Central Única dos Trabalhadores), entre outras centrais sindicais e movimentos sociais.

Uma das principais estrelas do ato, o ex-presidente Lula chegou pouco depois do meio-dia, quando os manifestantes começaram a caminhar em direção à sede da Petrobras, na avenida Chile. Um palco foi montado no local para o discurso do ex-presidente.

Entre os manifestantes estão metalúrgicos, petroleiros, bancários, químicos, enfermeiros e líderes de outras categorias. Nos discursos, ataques à direita, que, segundo eles, tentou impedir o avanço da Petrobras.

No trajeto, manifestantes seguram bandeiras da CUT, do PT e de outros partidos, como PC do B, PDT e PRB, do senador e candidato ao governo, Marcelo Crivella.

O objetivo do ato é alertar a sociedade para os riscos que sofre o projeto de desenvolvimento em curso no país, em função dos ataques contra o pré-sal e a Petrobras. Contudo, a defesa da camada de petróleo ficou em segundo plano. Os discursos se centraram em pedidos de votos a candidatos do PT e a reivindicações sindicais.

Os manifestantes também pedem o controle social da mídia, medida defendida pelo PT. "Vamos dar um recado a essa elite raivosa que tem ódio da classe trabalhadora. Vamos defender o pré-sal", disse o presidente do sindicado dos metalúrgicos do Rio.

"Tudo isso só está sendo possível em função dos investimentos e da competência da Petrobras. Nos últimos 12 anos, os governos Lula e Dilma fortaleceram a estatal para que ela cumprisse o seu papel de empresa pública, gerando empregos e renda para milhares de brasileiros.", ressalta o coordenador-geral da FUP, José Maria Rangel.

FOLHAPRESS

Leia tudo sobre: eleiçõespetrobrasmanifestação