Sorteio deixa Brasil no grupo da morte no vôlei

Brasil caiu junto com a anfitriã Polônia e a rival Rússia - a outra chave ficou com França, Irã e Alemanha

iG Minas Gerais | Agência Estado |

Atrás do seu quarto título mundial consecutivo, a seleção brasileira jogará na terça-feira contra os poloneses
Alexandre Arruda/CBV
Atrás do seu quarto título mundial consecutivo, a seleção brasileira jogará na terça-feira contra os poloneses

De nada adiantou para a seleção brasileira masculina de vôlei fazer a melhor campanha do Mundial nas duas primeiras fase, invicta com nove vitórias em nove jogos. Em sorteio realizado na noite deste domingo, o Brasil caiu no grupo da morte, junto com a anfitriã Polônia e a rival Rússia - a outra chave ficou com França, Irã e Alemanha.

Pelo estranho regulamento do Mundial, a classificação na segunda fase, que já levava em conta resultados da primeira, não afeta a terceira. Assim, as seis seleções que conseguiram avançar foram divididas por sorteio, o que fez com que Brasil, Polônia e Rússia, os três principais favoritos ao título, ficassem no mesmo grupo.

Agora, o Brasil enfrentará a Polônia e Rússia em busca de uma das duas vagas do grupo nas semifinais, assim como acontecerá com França, Irã e Alemanha na outra chave. Atrás do seu quarto título mundial consecutivo, a seleção brasileira jogará na terça-feira contra os poloneses. Depois, volta à quadra na quinta, quando encara os russos.

O Brasil ainda não enfrentou a Polônia neste Mundial, mas já ganhou da Rússia. Foi justamente neste domingo, quando as duas seleções entraram em quadra classificadas e fizeram um confronto direto para ver quem continuava invicta e avançava para a terceira fase em primeiro lugar da chave. A vitória brasileira foi por 3 sets a 1.

Com essa vitória, que lhe deu a liderança do grupo, o Brasil esperava continuar em Katowice, cidade onde estava jogando desde o começo do Mundial. Mas, como caiu na mesma chave da Polônia, vai atuar agora em Lodz, diante de poloneses e russos. Voltará para Katowice, porém, se chegar às semifinais, seja com França, Irã ou Alemanha.

Leia tudo sobre: mundialvôleibrasilgrupo da mortepolôniarússia