GPS feito por um cientista brasileiro traz modernidade

iG Minas Gerais |

Todos os foguetes lançados no Brasil atualmente levam consigo o aparelho de GPS desenvolvido pelo professor Francisco Mota, da UFRN. Esses aparelhos são importantes para garantir que o projétil esteja seguindo o curso programado e não esteja ameaçando a vida e a segurança.

“Um foguete atinge até 5.000 km/h. Os aparelhos de GPS normais são programados para não funcionar a essa velocidade”, explica o pesquisador. Daí a necessidade de se desenvolver um sistema específico para veículos espaciais.

O professor começou a desenvolver a tecnologia em 2001, em seu doutorado nos Estados Unidos. De volta ao Brasil, em 2004, ele trouxe a tecnologia – até então inexistente no país – para cá e desenvolveu um GPS para veículos aéreos totalmente brasileiro.

Importar a tecnologia de outros países não seria possível, já que o custo é altíssimo. Além disso, o aparelho está sujeito à Regulação Internacional para Trafico de Armas (Itar), pois ele poderia ser usado para guiar um míssil nuclear, por exemplo. “Dessa forma, o acesso irrestrito a essa tecnologia só é possível se a desenvolvermos aqui no Brasil”, diz o pesquisador.

“Para foguetes, eu poderia dizer que a tecnologia já está bem consolidada”, garante Mota. Acompanhando a evolução brasileira, o próximo passo dele é desenvolver um sistema que suporte velocidades ainda maiores, específico para ser colocado em satélites. Posição Brasil. Por estar muito próximo à linha do Equador, o Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, está em uma posição privilegiada para o lançamento de foguetes e satélites. (RS)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave