Igualdade racial é tema de campanha em BH

Dilma citou maior acesso do negro na Educação e acesso propõe cota na publicidade brasileira

iG Minas Gerais | GUILHERME REIS, LARRISA ARANTES E DANIEL POLCARO |

A candidata a presidência pelo PT , Dilma Rousseff , chega a igreja do Rosario em Nova Lima MG, ao som de congado . Oficialmente , o encontro que comemora o Dia Nacional de Promocao da Igualdade Racial . Dilma estava acompanha do candidato ao governo e vice pelo partido , Fernando Pimentel e Antonio Andrade , e ao Senado , Josue Gomes . Foto: Alex de Jesus/O Tempo 13/09/2014
Alex de Jesus/O Tempo 13/09/2014
A candidata a presidência pelo PT , Dilma Rousseff , chega a igreja do Rosario em Nova Lima MG, ao som de congado . Oficialmente , o encontro que comemora o Dia Nacional de Promocao da Igualdade Racial . Dilma estava acompanha do candidato ao governo e vice pelo partido , Fernando Pimentel e Antonio Andrade , e ao Senado , Josue Gomes . Foto: Alex de Jesus/O Tempo 13/09/2014

A igualdade racial foi o principal tema abordado por Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) em campanha na manhã deste sábado, 12, na Grande Belo Horizonte.

Em evento em Nova Lima, Dilma afirmou que a população negra é a principal beneficiada por bolsas no Prouni e pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). A candidata à reeleição citou ainda sobre a cota de 20% em concursos no serviço público federal.

"Fico muito feliz de ver o filho de um negro virar doutor e ver pessoas negras entrando em um avião. Antes isso não acontecia. Esse país está mudando. Falta muita coisa por fazer. Nós temos que construir um Brasil para 202 milhões de brasileiros", afirmou.

Em assinatura do Pacto pela Juventude e Igualdade Racial e Enfrentamento ao Racismo, na Praça do Papa, Aécio Neves propôs a participação de negros em 50% na publicidade brasileira e citou a morte de jovens na periferia de grandes centros.

"Estamos propondo um fundo de promoção da igualdade racial. Temos políticas públicas em minas muito exitosas nessa direção. Tenho dito que o Brasil vive hoje um verdadeiro genocídio de jovens e, principalmente, de jovens negros nas periferias das grandes cidades. No ano passado, das 56 mil mortes por assassinatos, que nós vimos acontecer no Brasil, grande parte delas por causa do tráfico de drogas, 30 mil delas foram de jovens negros", expôs.

Leia tudo sobre: dilmaaécioigualdade racialeleições