Tarja Turunen causa frisson em Belo Horizonte

Famosa na cena pela banda Nightwish, cantora soprano e pianista finlandesa mostra porque é considerada uma deusa do Heavy Metal

iG Minas Gerais | Thiago Prata |

Ex-vocalista da banda Nightwish, a pianista finlandesa Tarja Turunen hoje segue em carreira solo cantora
Divulgação
Ex-vocalista da banda Nightwish, a pianista finlandesa Tarja Turunen hoje segue em carreira solo cantora
Quando ela subiu ao palco do Music Hall, nesta quinta-feira (11), o barulho vindo do público era ensurdecedor. Somente a presença dela era o suficiente para causar frisson na casa de shows. No primeiro momento em que abriu a boca para cantar os versos iniciais de "In for a Kill", muitos já estavam hipnotizados, tamanho o encanto e a força de sua voz. Para muitos, um presente dos deuses. Para outros, uma deusa na terra.   Aos 37 anos, Tarja Turunen mantém o pique daquela garota prodígio que veio a Belo Horizonte pela primeira em 2002 como cantora do Nightwish, mas está mais madura, mais segura, mais experiente e consistente no vivo - e com uma beleza ainda mais estonteante. E ainda se comunicou em português durante muitos momentos do concerto, demonstrando ainda mais carisma.   O público poderia ser maior. Os espaços vazios na parte de trás da pista deixavam isso claro. Mas as cerca de mil pessoas presentes no Music Hall emanavam uma energia tão grande que parecia haver dez mil aficionados ali. Tarja e sua banda com certeza sentiram isso, tamanho o 'feeling' evidente na apresentação.   Os músicos que acompanham a soprano são excelentes, com destaque para o grande baterista Mike Terra, ex-Rage, Axel Rudi Pell, dentre outros, e referência no instrumento em todo o mundo.   Ao vivo, Tarja é um show à parte. A voz contagiante no meio do Metal e da Música Clássica encantou os fiéis súditos, que retribuíam cantando junto e aplaudindo bastante.   As músicas da carreira solo da finlandesa formaram a maioria esmagadora do set list. "In for a Kill" abriu os trabalhos de forma avassaladora. O show continuou em alta, com Tarja e banda desfilando talento e garra nas demais canções, como em "500 Letters", "I walk alone" e "Victim of Ritual".   O hit "Wish I had an angel" surgiu para saciar os fãs de carteirinha do Nightwish. O curioso é que "Over the hills and far away", música de Gary Moore, que a ex-banda de Tarja coverizava, não estava presente no set list da cantora, mas acabou fechando a apresentação da noite dessa quinta. Um baita presente de despedida da soprano, visivelmente emocionada com a recepção que teve em Belo Horizonte.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave