Eletronika tenta mesclar suas atrações entre a pista e o palco

Com 16 anos de vida, evento que já teve vários formatos traz programação de hoje a domingo em BH

iG Minas Gerais |


Juçara Marçal vem a Belo Horizonte para lançar “Encarnado”
Jose de Holanda / Divulgacao
Juçara Marçal vem a Belo Horizonte para lançar “Encarnado”

A música eletrônica geralmente é associada a baladas noite adentro, tocadas no último volume para um público que se deixa contagiar por suas batidas pesadas. Bem, essa é uma parte da música do gênero e o Festival Eletronika – que começa hoje, no Teatro Oi Futuro Klauss Vianna, e vai até domingo – tenta mostrar a diversidade de sua produção.

“Buscamos esse equilíbrio entre o experimentalismo e a música que é feita para dançar”, garante Chico Dub, um dos curadores da programação, que chega aos 16 anos de vida. Para isso, o festival se desdobrou e deixou de ser apenas no teatro para ocupar também a galeria do prédio da Oi. “As apresentações do teatro são mais intimistas. Na galeria temos a possibilidade de convidar artistas que façam o público dançar”, comenta.

Dub é responsável pela programação gratuita que ocorre nas galerias, organizada em eixos temáticos por dia. Hoje, o público confere a música eletrônica rural, com dois artistas vindos do interior de Minas. Amanhã, é a vez de “beats” mais urbanos com a retomada do funk carioca e estilos híbridos, como o Bahia Bass, representado no festival por Mauro Telefunksoul, que une o drum’n’bass a elementos da cultura baiana como o pagodão e a axé music. E sábado, é a vez da música techno, com artistas vindos de São Paulo. “Eu destacaria a presença da Juçara Marçal porque ela faz uma fusão muito interessante de ritmos afro-brasileiros, samba e eletrônica”, comenta Dub.

O curador vê com bons olhos a atual safra da música eletrônica produzida no Brasil. “O mais legal é que as pessoas estão fazendo sem pensar se a música é isso ou aquilo. Desde o funk carioca até o techno brega, em Belém do Pará. A quantidade de pessoas produzindo música é muito grande e elas estão tentando encontrar novas formas de chegar ao público, já que vivemos essa crise das grandes gravadoras”. Dub é responsável pela Hy Brazil, selo que grava músicos eletrônicos tupiniquins e que já lançou quatro volumes.

A programação, no teatro, traz atrações estrangeiras como o italiano Lorenzo Senni, o trio alemão To Rococo Rot e o norte-americano Arto Lindsay. Toda a programação pode ser conferida no site: : www.festivaleletronika.com.br (GR)

Agenda

O quê. Festival Eletronika como Mujique e Fudisterik

Quando. Hoje, a partir de 23h30

Onde. Teatro Oi Futuro Klauss Vianna (avenida Afonso Pena, 4.008, Mangabeiras)

Quanto. Entrada franca

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave