CGU pede acesso a delação

Depois da própria estatal e de CPI do Senado, controladoria quer relatos de Paulo Roberto Costa

iG Minas Gerais |

Investigação. Jorge Hage afirma que teor das acusações, se confirmado, ajudará CGU em apuração
ROOSEWELT PINHEIRo/abr - 2.8.2013
Investigação. Jorge Hage afirma que teor das acusações, se confirmado, ajudará CGU em apuração

Brasília. O ministro-chefe da Controladoria Geral da União (CGU), Jorge Hage, enviou nesta terça-feira ofício ao Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, pedindo acesso aos depoimentos que o ex-diretor de abastecimento e refino da Petrobras Paulo Roberto Costa prestou à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal, em nova rodada de investigações, sob regime de delação premiada.

Mesmo em segredo de Justiça, a revista “Veja” teria tido acesso ao depoimento e divulgou as supostas declarações de Costa no último fim de semana. O vazamento da delação está sendo investigado pela Polícia Federal.

Além da CGU, a própria Petrobras e a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado que investiga corrupção na Estatal também já pediram acesso às afirmações de Costa.

Em nota, a CGU cita que “o teor das declarações, a se confirmar o que vem sendo divulgado pela imprensa, poderá auxiliar nas investigações em andamento pela CGU, nas suas diversas frentes de atuação relativas à Petrobras”.

Conforme a “Veja”, o ex-diretor citou nomes de 12 políticos. Na sexta-feira, o jornal “O Estado de S. Paulo”, em sua versão online, já havia revelado que Costa citou o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). A maior parte dos citados já negou envolvimento em irregularidades.

O inquérito foi instaurado em Curitiba (PR), onde estão concentradas as investigações da operação. No ofício encaminhado ontem, Hage argumentou que a CGU já tinha obtido autorização do Juiz Sérgio Moro para o compartilhamento de informações do inquérito da Operação Lava Jato.

Agora, no entanto, como se trata de depoimento com possível acordo de delação premiada e submetido a sigilo legal, faz-se necessária autorização específica. A CGU diz que está perto de concluir o relatório preliminar em relação à compra da refinaria de Pasadena, no Texas.

Nesta terça-feira, Paulo Roberto Costa voltou a prestar depoimento a procuradores da República e delegados da Polícia Federal em Curitiba. Foi o oitavo depoimento de Costa, que negociou a delação em troca de redução da pena, desde que as informações se comprovem verdadeiras.

Foro. As revelações de Paulo Roberto Costa relacionadas a deputados, senadores e ministros na delação premiada serão enviadas diretamente à Procuradoria Geral da República, sem passar pelas mãos do juiz federal.

Caberá ao procurador geral da República, Rodrigo Janot, analisar as novas denúncias e encaminhá-las ao STF, solicitando a abertura de inquérito ou informando que não há elementos suficientes para se instaurar investigação.

Roseana

Ligação. As acusações mais pesadas feitas por Costa, segundo uma fonte que acompanha o caso, recairiam sobre a governadora do Maranhão Roseana Sarney (PMDB), por suas supostas ligações com o doleiro Alberto Youssef.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave