Problema se arrasta há dois anos

Para incentivar os médicos, a prefeitura implantou reajustes salariais, chegando a pagar R$ 200 a mais por plantão de fim de semana

iG Minas Gerais | Luiza Muzzi |

Embora afirme que a situação encontrada pela reportagem no último domingo tenha sido excepcional, e que o problema é restrito aos plantões diurnos de fim de semana, a Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte reconhece a falta de pediatras nas Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs). Em nota, o órgão admitiu enfrentar dificuldades para completar os plantões, especialmente os diurnos de domingo, há dois anos. Apesar disso, a secretaria alega que a falta não é constante. “Há variações em períodos de maior escassez, como feriados e em meses de férias escolares, por exemplo”.  

Para incentivar os médicos, a prefeitura implantou reajustes salariais, chegando a pagar R$ 200 a mais por plantão de fim de semana. Além disso, está com 30 vagas em aberto para pediatras em UPAs. Segundo o órgão, o número será suficiente para suprir a demanda.

A rede pública da capital tem 352 pediatras, 125 em UPAs. Já o número de médicos por plantão varia entre dois e três, de acordo com a estrutura da unidade. Segundo a prefeitura, a falta de pediatras “é um desafio enfrentado em todo o país”. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave