Todos serão salvos, pois Deus até se preocupa mais com os maus

iG Minas Gerais |

undefined

O projeto divino é infinito, ou seja, sem fim. E somente sabemos a respeito dele que tudo o que Deus cria é baseado no amor e na verdade, e que todo ele dará certo. Pelo nosso nível de conhecimento atual, o homem é o ser mais importante criado por Deus. Alguém diria que seria o anjo. Mas o que é o anjo? Na crença judaico-cristã tradicional, ele é outra categoria de espíritos superiores enviados do mundo espiritual para nós. Mas, de um modo geral, nas outras culturas espiritualistas e, principalmente, na Bíblia e no espiritismo, o anjo é um espírito superior enviado, sim, mas humano. E ele é superior porque evoluiu, não existindo, pois, outra categoria especial de espíritos não humanos bons e maus. E até se diz anjo bom e anjo mau (ainda atrasado). Assim, o anjo bom Gabriel veio trazer para Maria de Nazaré a mensagem de que ela seria a Mãe do Messias. E Gabriel, um espírito humano, significa em hebraico “espírito iluminado”. Mas vamos ao assunto principal desta matéria. “Que vos parece? Se um homem tiver cem ovelhas e uma delas se extraviar, não deixará ele nos montes as 99, indo procurar a que se extraviou? E, se porventura a encontra, em verdade vos digo que maior prazer sentirá por causa dela do que pelas 99, que não se extraviaram.” (Mateus 18: 12 e 13). E, em Lucas (15: 4), nessa parábola, Jesus diz que o pastor busca a ovelha perdida “até a encontrar”. Isso quer dizer que Deus e Jesus não desistem jamais de conseguir, um dia, a salvação de todos os espíritos. E, nos céus, entre Deus, Jesus, Nossa Senhora e os espíritos já angélicos e os que ainda não chegaram a ser anjos, mas todos já salvos, há mais alegria quando uma alma se converte do que aquela alegria comum já existente entre eles. Outro exemplo está na parábola do filho pródigo (Lucas 15: 11 a 32). Pródigo quer dizer “esbanjador”. Ele conseguiu receber adiantadamente de seu pai a sua herança e, depois de gastá-la toda em farras, caiu em sérias dificuldades para a sua sobrevivência, tendo passado fome e até desejado comer a ração dos porcos de que cuidava. Mas, de repente, “ele entrou em si” e resolveu voltar para seu pai. Nessa parábola, o pai, bondoso e tolerante com seu filho, recebe-o com todo o carinho, com um banquete e uma grande festa, a ponto de causar ciúme e revolta no filho mais velho. Com essa parábola, Jesus quis demonstrar-nos que o pai bondoso do filho pródigo agiu como age Deus com relação aos seus maus filhos. Aliás, Deus não faz acepção de pessoas (Atos 10: 34). “E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu” (João 6: 39). “Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Romanos 8: 31). “Os sãos não precisam de médicos, e sim os doentes; não vim chamar os justos, e sim os pecadores.” (Marcos 2: 17). É por isso que a reencarnação é também uma realidade. Sim, pois sem as novas chances de salvação proporcionadas por ela, a misericórdia infinita de Deus seria uma farsa! Mas como vimos, pela Bíblia, um dia, todos chegarão à salvação! Recomendo o livro infantil (Coleção Educacional Emocional) “O Voo de Raxi”, do médico e médium psicógrafo Andrei Moreira, presidente da Associação Médico-Espírita de MG (Amemg), com a assistência da psicóloga e adaptadora Bianca Ganuza, da Universidade Estadual Paulista e da ilustradora e terapeuta ocupacional Patrícia Tavares formada pela UFMG, AME Editora – Editorinha – Belo Horizonte (MG), 2014.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave