Com gol de Léo Silva, Atlético vence Botafogo e se mantém perto do G-4

Tento veio somente no segundo tempo, quando o time contou com um jogador a mais desde os 30 segundos

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Ao contrário do último confronto, com o Palmeiras, no meio de semana, pela Copa do Brasil, o Atlético sentiu falta dos desfalques neste domingo, contra o Botafogo, no Independência, pela 19ª rodada do Brasileirão.

Ao todo, 14 peças não puderam ser relacionadas pelo técnico Levir Culpi. Com muita luta e pouca inspiração, a equipe mineira sofreu para vencer o oponente. O gol saiu somente aos 26min do segundo tempo, em cabeçada de Leonardo Silva, após cobrança de escanteio. Os três pontos mantêm o Atlético na briga direta pelo G-4.

Sem nomes como Tardelli, na seleção brasileira, Pedro Botelho, contundido, e Jémerson, suspenso, Levir Culpi teve, ainda, um problema de última hora. O meia Dátolo, com cansaço muscular, acabou sendo preservado, dando lugar ao jovem volante Eduardo, que fez o esquema do time sofrer alterações.

Com a presença de três volantes, a criação do Alvinegro ficou comprometida e os setores ficaram distantes. A responsabilidade de comandar o meio-campo acabou sendo de Rafael Carioca, o mais lúcido do trio.

O lateral-direito Marcos Rocha, que retornava ao time titular, foi o responsável pelos melhores momentos de um fraco primeiro tempo, com nível técnico deixando a desejar. Aos cariocas, restou montar um esquema defensivo e tentar sair nos contra-ataques.

As dificuldades do Atlético foram ainda maiores com o árbitro Flávio Rodrigues Guerra teimando em não adotar o mesmo critério. A torcida ficou na bronca com a não marcação de faltas claras.

VANTAGEM. Para o segundo tempo, pelo menos no papel, o setor de criação contou com alguém que poderia fazer a diferença. Guilherme substituiu Eduardo e era a esperança para um outro desempenho. O time, com alguém com boa capacidade de organização, melhorou.

O segundo tempo mal havia começado quando o Atlético se viu com um jogador a mais. O zagueiro Dankler, improvisado na lateral-direita, recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso com apenas 30 segundos de bola rolando.

O quadro de ataque contra defesa ficou ainda mais evidente, e o Botafogo aproveitou para ganhar tempo, sempre que era possível. Flávio Rodrigues Guerra manteve a política de dar poucas faltas e deixava os ânimos atleticanos ainda mais exaltados.

A água atleticana tanto bateu na pedra botafoguense – pelo menos no que se refere ao controle do jogo - , que o furo veio. Leonardo Silva se posicionou bem na área para marcar e fazer a torcida respirar aliviada.

O primeiro chute do Botafogo veio somente aos 34min da etapa final, mostrando uma postura condizente com um time que somou uma vitória fora de casa até agora.

Na quinta-feira, o Atlético tem um importante desafio, contra o Corinthians, adversário direto na briga pelo grupo que se classifica à Libertadores.

Leia tudo sobre: atleticovencebotafogobrasileirohorto