Grito dos Excluídos faz caminhada pelo centro de São Paulo

O grupo caminhou da Praça da Sé e chegou, por volta do meio dia, ao Largo do Café, na região central da cidade, onde devem encerrar o ato.

iG Minas Gerais | Da redação |

A passeata do Grito dos Excluídos reúne 200 pessoas na capital paulista. O grupo caminhou da Praça da Sé e chegou, por volta do meio dia, ao Largo do Café, na região central da cidade, onde devem encerrar o ato. Esta é a 18ª edição do Grito em São Paulo e tem como tema a questão da criminalização das manifestações.

De acordo com Paulo César Pedrini, coordenador da Pastoral Operária Metropolitana de São Paulo e integrante da organização, o lema é ocupar ruas e praças na luta por direitos. “Em São Paulo, a gente resolveu priorizar três eixos: a criminalização do movimento sindical e social, o direito de greve e também a questão da água, que há muito tempo não se investe seriamente.”

O ato tem participação das pastorais sociais da Arquidiocese de São Paulo, das centrais sindicais, entre outros movimentos sociais. “O significado aqui é denunciar a exclusão social presente no nosso país. A falta de saúde, de educação, de moradia”, disse Pedrini.

Representantes de comunidades indígenas paulistanas também integraram a passeata. Segundo o índio Salvador, da etnia Kaimbê, que tem 1,2 mil integrantes vivendo em uma aldeia da região de Heliópolis, zona sul, os povos indígenas buscam defender seus direitos.

“Nós viemos aqui para representar a nossa aldeia, mas as outras etnias também. Estamos reivindicando melhorias para nós. Reivindicamos saúde, transporte, escola para os nossos filhos. Somos muito discriminados. Reivindicamos também a demarcação das nossas terras”, declarou.

Agência Brasil 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave