Famílias temem ser despejadas de terreno na Granja São João

Prefeitura informou que o terreno é do município e que a ordem de despejo já foi emitida

iG Minas Gerais | Lisley Alvarenga |

Cerca de 80 famílias vivem no local desde abril
Nelson Batista
Cerca de 80 famílias vivem no local desde abril

Cerca de 80 famílias que, desde abril, vivem em um terreno ocupado no bairro Granja São João, em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, estão preocupadas com a possibilidade de serem despejadas do local.

Segundo uma das ocupantes, Meirelayne de Almeida, a prefeitura, que se diz proprietária do terreno, localizado na rua São Julião, informou que já conseguiu uma ordem de despejo e que os moradores terão que sair do local nos próximos dias. “A prefeitura diz isso, mas até agora não nos apresentou qualquer documento que comprove que eles são realmente donos da área. Vim para cá com meus três filhos porque não tenho condição financeira de pagar um aluguel. Estou desempregada e quem me ajuda é meu ex-marido e a família dele. Não sei qual o motivo de o governo querer nos despejar. Antes, essa área estava abandonada”.

Carlos Roberto da Rocha, pai de uma das ocupantes, também teme que sua filha, que está grávida, seja obrigada a sair do terreno. “Ela vai casar e tanto ela quanto o marido não têm condições de comprar uma casa”.

Assim como Meirelayne, ele afirma que o terreno estava abandonado. “Essa área era uma via de acesso dos moradores, porém, era usada por usuários de drogas. Já, inclusive, soubemos de casos de estupro e de tentativas de estupro que ocorreram aqui. Se a prefeitura realmente é dona e não faz nada com a área, porque não permitir que essas pessoas morem aqui?”.

A assessoria da prefeitura afirmou que “o terreno é do município e que a justiça já concedeu a reintegração de posse à prefeitura, que foi encaminhada à Polícia Militar”. Porém, a data da retirada não foi informada.

A prefeitura informou ainda que “dentro dos critérios legais, as famílias vão ser amparadas pela prefeitura, sendo feita uma avaliação individual de cada caso”. O governo declarou também que “o espaço será destinado à construção de um Centro Infantil Municipal, que vai beneficiar a população local”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave