Receio de se tornar um “arquivo vivo”

Os depoimentos são todos filmados e tomados em uma sala na Custódia da Polícia Federal em Curitiba

iG Minas Gerais |

Curitiba. Os depoimentos do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto têm sido longos. No primeiro dia foram mais de quatro horas. Um advogado do Paraná disseque Paulo Roberto está “exausto, mas se diz aliviado”. O ex-executivo teria demonstrado preocupação apenas quando soube que a imprensa noticiou a delação premiada. Seu temor é se tornar um “arquivo vivo”.  

Os depoimentos são todos filmados e tomados em uma sala na Custódia da Polícia Federal em Curitiba. Ao final de cada dia os depoimentos são lacrados e criptografados pelo Ministério Público Federal, que os envia diretamente para a Procuradoria Geral da República (PGR), em Brasília. A PGR mandou emissário a Curitiba no início do processo de delação.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave