Campanha não chega a seringal

O maior desafio agora é o assentamento de famílias que ainda não conseguiram o registro das terras em que vivem, processo emperrado por imbróglio com o Banco do Brasil

iG Minas Gerais |

Maria do Carmo, do seringal Bagaço, não viu santinhos de Marina
André dusek/ Estadão Conteúdo
Maria do Carmo, do seringal Bagaço, não viu santinhos de Marina

Rio Branco. Só alcançado em vários pontos por sacolejantes estradas de terra, rodeadas de pastos e pouca floresta, o antigo seringal Bagaço, nos arredores de Rio Branco, no Acre, é o berço de Marina Silva, mas ainda não viu a campanha dela acontecer.

Ali não são poucos os moradores que declaram voto na ex-ministra do Meio Ambiente, na esperança de que, sendo filha da terra, ela resolva problemas históricos, como a regularização fundiária, ainda pendente. Mas ainda não sabem que número apertar na urna.

“Não vieram trazer os santinhos”, diz Maria do Carmo de Oliveira, de 50 anos, moradora e presidente da Associação Gleba Gaivota, que representa 60 famílias. Na comunidade às margens do Rio Acre, em que a presidenciável do PSB viveu até os 16 anos, sobressai na paisagem a propaganda de candidatos da coligação local do PT, ao lado de uma sorridente Dilma Rousseff. “Política, aqui, tem direto, mas ninguém veio pedir voto para Marina”, diz Benedita Menezes, de 56 anos.

O maior desafio agora é o assentamento de famílias que ainda não conseguiram o registro das terras em que vivem, processo emperrado por imbróglio com o Banco do Brasil. “Sem o papel, não temos direito a um financiamento do governo”, diz Francisco Ribeiro de Araújo, de 59 anos, ex-seringueiro que declara voto em Marina, mas não sabe o número dela. O vice-governador do Acre e candidato do PSB à Câmara, César Messias, diz que faltou dinheiro.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave