Novo espaço para encontros

Centro Cultural Fernando Pacheco é inaugurado, na região da Pampulha, com mostra e outras ações no ARTPAM

iG Minas Gerais | Carlos Andrei Siquara |

Casa. Fernando Pacheco expandiu o ateliê onde trabalha há mais de três décadas para receber outros artistas e projetos da cidade
Nina Pacheco
Casa. Fernando Pacheco expandiu o ateliê onde trabalha há mais de três décadas para receber outros artistas e projetos da cidade

No seu ateliê, onde trabalha há 30 anos, Fernando Pacheco resolveu não só expandir a área, mas também o uso do espaço que acolhe agora diversas outras atividades, além do seu ofício. Batizado Centro Cultural Fernando Pacheco, a iniciativa abre as portas amanhã com o evento ARTPAM. A programação baseada em quatro encontros abarca mostra de pinturas e instalações criadas por Pacheco, além de performances e shows.

“Desde que voltei de algumas viagens, eu comecei a pensar na possibilidade de ter um lugar mais intimista para convidar outros artistas a expor ou se apresentar em Belo Horizonte. Uma vantagem de fazermos isso aqui é o fato de a Pampulha ser uma região com grande vocação à arte e à cultura. O bairro, até o período da Copa, ficou muito abandonado, embora tenha obras importantes como o complexo arquitetônico concebido por Niemeyer. Movimentar esse lado é um modo de incentivar também a revitalização desse ambiente”, explica Fernando Pacheco.

A primeira leva de ações, de acordo com ele, homenageia o escritor Bartolomeu Campos de Queirós (1944-2012). A obra do mineiro inspira tanto as criações recentes exibidas pelo artista, quanto duas performances que vão ser realizadas por Ana Gusmão e Luiz Gomide neste sábado. Eles retornam no dia 13.

“Os dois vão se apresentar dirigidos por Pedro Paulo Cava, que adaptou os textos de Bartolomeu. Enquanto Gomide encena ‘Aqui Tem Papo de Pato’, Ana interpreta ‘Saudade de Mãe’, que é baseado no livro ‘Vermelho Amargo’. Uma coisa muito interessante é que ela vai fazer a performance dentro de uma tanque com água”, diz Pacheco.

Após os performers darem vida a personagens narrados por Queirós, Tavinho Moura faz show amanhã. Domingo (7) será a vez de Juarez Moreira. Já no próximo fim de semana, os músicos Eduardo Ladeira e Rodrigo Borges se apresentam no dia 13. “Eles são jovens compositores talentosíssimos que chegam para levar ao público um pouco das suas composições autorais”, acrescenta ele.

Durante esse período, os visitantes vão poder apreciar as telas e duas instalações (“ConSerto de Piano” e “Gosto dos Beatles e de Jabuticabas”) concebidas pelo idealizador. Para criar as telas, Pacheco conta que se baseou no nome das obras de Bartolomeu, como “Por Parte de Pai”, “Cavaleiros das Sete Luas”, entre outros.

“Minha intenção não foi fazer ilustrações dos livros, mas pinturas que fossem provocadas por aquelas palavras”, frisa.

O motivo para criar a série de 26 novas composições, a partir do universo literário de Queirós revela sua vasta admiração pelo autor. “Eu fui amigo de Bartolomeu e ele me acompanhou durante toda a minha trajetória. Escreveu textos lindíssimos sobre minhas pinturas e eu sempre fui muito grato ao olhar dele. Como sou um grande fã de sua literatura, quis também chamar atenção para as suas obras, relata Pacheco.

A instalação “ConSerto de Piano” foi, como as pinturas, inspirada pelas lembranças que ele tem do amigo. “Bartolomeu gostava muito de brincar com as palavras e certa vez ele disse que gostaria de fazer comigo um concerto de piano, com ‘S’ mesmo, pois o que as pessoas veriam era um instrumento em reparo. Ali o público vai ver algo parecido”, comenta o artista que também expõe “Gosto dos Beatles e de Jabuticabas”.

“Essa instalação é composta por um fusca do qual saem músicas dos Beatles e de músicos mineiros influenciados por eles, como aqueles do Clube da Esquina. Isso é uma forma de mostrar como Minas Gerais absorveu várias importantes referências artísticas”, ressalta.

Um vídeo produzido pelo videomaker Fernando Batista, por fim, ressalta a memória em torno da vida de Queirós. “Esse é um trabalho inédito que traz depoimentos dele. Acho que as pessoas vão se emocionar”, pontua Pacheco.

Agenda

O quê. Abertura do ARTPAM e inauguração do Centro Cultural Fernando Pacheco

Quando. Amanhã, às 14h; dom., das 14h às 20h; dias 13 e 14, das 14hàs 20h.

Onde. Centro Cultural Fernando Pacheco (av. Dora Tomich Laender, 301, Pampulha)

Quanto. Entrada franca

Programe-se

Para curtir os shows realizados sempre às 17h e as performances que acontecem aos sábados (7 e 13) às 14h30 (Luiz Gomide) e às 16h (Ana Gusmão), o público precisa agendar a visita no site do projeto (www.artpam.com.br).

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave