Presidente ucraniano diz que ordenará cessar-fogo no leste do país

As forças armadas ucranianas lutam contra separatistas pró-russos no leste do país que, segundo denúncias dos países ocidentais, são armados e treinados pela Rússia

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, disse que iria pedir ao Exército um cessar-fogo na sexta-feira (5), abrindo o caminho para a implementação de um plano de paz divulgado na quarta (3).

As forças armadas ucranianas lutam contra separatistas pró-russos no leste do país que, segundo denúncias dos países ocidentais, são armados e treinados pela Rússia.

Falando à margem da cúpula da Otan, no País de Gales, Poroshenko disse que o cessar-fogo é uma condição para uma reunião em Minsk com enviados da Ucrânia, da Rússia e da OSCE na sexta (5).

"Às 14h (hora local), eu pedirei ao Exército a criação de um cessar-fogo bilateral e esperamos que a implementação do plano de paz comece amanhã", disse Poroshenko.

O presidente russo, Vladimir Putin, divulgou nesta quarta (3) uma proposta para encerrar o conflito após conversar por telefone com Poroshenko.

O processo de paz, a ser implementado a partir de sexta (5), consiste em interromper qualquer ação de ambos os lados, incluindo suspensão de aviões militares em área civil, além da permissão para monitoramento internacional da situação, libertação de rebeldes detidos, facilitação do auxílio a refugiados e reconstrução de áreas destruídas.

Combate

O Exército da Ucrânia está em estado de alerta máximo perto do porto de Mariupol, no Mar de Azov, próximo a fronteira com a Rússia, uma fonte militar ucraniana disse nesta quinta-feira (4).

"Todas as nossas divisões estão em estado elevado de alerta e estão se preparando para responder a um ataque", disse a fonte sobre rumores de que os separatistas atacariam a cidade.

Ajuda

O governo americano enviará cerca de 200 soldados para participarem de exercícios militares no oeste da Ucrânia no final de setembro, anunciou o Pentágono nesta quarta-feira (4), em uma demonstração de solidariedade com o governo de Kiev.

A presença de 200 paraquedistas da 173ª Brigada Aerotransportada (Airborne Brigade) marcará o primeiro envio de tropas terrestres dos Estados Unidos à Ucrânia desde o início do conflito de Kiev com os separatistas pró-Rússia em meados de abril.

Forças navais americanas também devem participar de um outro exercício, na próxima semana, no Mar Negro, com efetivos ucranianos, disse o coronel Steven Warren, porta-voz do Pentágono.

Washington e os países europeus já adotaram várias sanções econômicas contra Moscou, acusado de violar a integridade territorial da Ucrânia, enviando tropas e material militar para apoiar os separatistas.

Anunciado mais cedo nesta quarta (3) pelo Ministério polonês da Defesa, o exercício militar deve acontecer de 13 a 26 de setembro, em Yavoriv, a cerca de 60 quilômetros de Lviv, segundo o porta-voz do Pentágono.

As manobras "Rapid Trident 14" serão realizadas em cooperação com unidades ucranianas e contarão com soldados poloneses, romenos, moldavos, búlgaros, espanhóis, estonianos, britânicos, alemães, lituanos e noruegueses

Leia tudo sobre: UcrâniaRússiaCessar-fogoLesteConfrontoConflitoTréguaMundoReunião