Jogo de empurra emperra normalização de coleta de lixo em Lagoa Santa

Projeto foi votado e aprovado em primeiro turno na última terça-feira (2) e pode ser apreciado em segundo turno nesta quinta-feira (4); normalização, contudo, levará pelo menos cinco dias

iG Minas Gerais | Fernanda Viegas |

Enquanto a Prefeitura de Lagoa Santa e a Câmara Municipal ficam no jogo de empurra-empurra político, a população da cidade fica prejudica com a redução de 70% da coleta de lixo. O executivo alega que os vereadores estão demorando para votar o projeto do executivo, que objetiva dar manutenção ao contrato com a empresa que presta o serviço de coleta no município. Já os parlamentares alegam que houve falta de planejamento da administração.

“Os nove vereadores estão empenhados em analisar a documentação enviada pela prefeitura sobre os pagamentos, contratos, licitação, e se finalizarmos essa análise hoje, faremos uma sessão extraordinária. Mas faltou uma melhor programação da prefeitura. Por que o projeto não foi enviado em abril ou maio? E por que a empresa ficou três meses sem receber?”, questiona o presidente da Câmara, vereador Juninho de Pedro (DEM).

Em resposta, o diretor de Meio Ambiente da prefeitura, Ângelo Augusto Couto, afirma que as negociações começaram em junho, onde a administração teria apresentado que há necessidade de uma ampliação dos recursos para a área da coleta.

“A gente já tem o recurso (na secretaria), só é preciso realocá-lo. No dia 23 de junho, foi feita, por meio de um projeto, a solicitação de suplementação de 15% para a coleta de lixo, porque a demanda está crescendo muito. No dia 10 de julho, entre a Secretaria da Fazenda e os vereadores, foi feito novamente o pedido de suplementação e eles baixaram para 12%. Mas ai, não daria para fazer. Então, entramos com o pedido de urgência, no dia 11 de agosto”, justificou.

O projeto foi votado e aprovado em primeiro turno na última terça-feira (2) e pode ser apreciado em segundo turno ainda nesta quinta-feira (4), visto que o lixo se acumula desde sábado (30). A normalização, conduto, deve acontecer em no mínimo cinco dias, segundo a prefeitura.

Durante o impasse, a coleta de lixo está sendo feita por dois caminhões da prefeitura, em quatro turnos de seis horas, por toda a cidade, com prioridade para escolas, hospitais e região central da cidade, onde a aglomeração de pessoas é maior.

 

Leia tudo sobre: coleta de lixoimpasseprefeituracâmararedução