"Justiceiro" de Santa Luzia é apresentado pela polícia

O homem tem em seu currículo duas mortes, sendo a de um suspeito de praticar furtos na região e também de um suspeito de estuprar e matar uma menina de apenas 7 anos, crime de grande repercussão na época

iG Minas Gerais | JULIANA BAETA |

CHARLES SILVA DUARTE
undefined

Um homem que fazia “justiça com as próprias mãos”, suspeito de homicídios em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, foi apresentado pela Polícia Civil na manhã desta quarta-feira (3), no Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa.

Conhecido por Billy Joel, e aos 32 anos de idade, o suspeito foi preso pela morte de M.E.P.L. em março deste ano, no bairro Palmital. De acordo com as investigações a vítima era viciada em drogas e praticava pequenos furtos na cidade para sustentar o vício.

Segundo o delegado Christiano Xavier, responsável pelas investigações, no dia do crime, M.E. havia tentado furtar o celular de uma mulher e foi capturado e agredido por populares, entre eles, Billy Joel, que sacou uma arma na frente de todos e disparou seis vezes contra vítima.

O suspeito confessou o crime se dizendo um “justiceiro”, alegando que a vítima ficava furtando as pessoas na região.

Outro crime

Billy Joel tem também em seu currículo a morte de um suspeito de estupro e assassinato no bairro São Cosme e foi preso por este crime em setembro de 2012. A vítima, neste caso, era conhecida como Vavá, e tinha 25 anos.

Ele contou que decidiu matar Vavá quando descobriu que ele era o estuprador da menina Rânya Oliveira Lima, de apenas 7 anos, por meio de comentários da vizinhança, inclusive o de que a vítima já havia abusado também de outra mulher. Além disso, na época do crime, uma foto de Vavá foi espalhada pelos vizinhos na região, apontando o homem como o assassino da criança.

Testemunhas confirmaram a versão do suspeito sobre a culpa de Vavá na morte de Rânya, que havia desaparecido da porta de sua casa em fevereiro de 2012. Ela foi encontrada dias depois enrolada em um lençol, com as mãos amarradas para trás, marcas de agressões e abusos sexuais e um traumatismo craniano como causa da morte.

Billy Joel já tinha passagens pela polícia por homicídios e tráfico de drogas, e foi levado para o presídio de Santa Luzia.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave