Polarização acirra a disputa

iG Minas Gerais |

As representações que as coligações de Pimenta da Veiga e Fernando Pimentel impõem uma contra a outra são um reflexo da polarização da disputa ao governo de Minas, afirmam especialistas no assunto. “Sempre foi uma estratégia utilizada, mas nunca nesta proporção. Revela o quão disputado está o jogo”, avalia o cientista político Moisés Augusto Gonçalves, da PUC-Minas.

O titular da Coordenadoria de Registros e Informações processuais do TRE-MG, Marco Aurélio Neto, concorda. “É um reflexo da polarização mostrada nas pesquisas. De qualquer forma, o papel do TRE é dar uma resposta a esses questionamentos”.

O cientista político Moisés Gonçalves, no entanto, avalia que a guerra judicial não favorece o eleitor, que deveria ser informado das propostas de cada um. “O processo eleitoral deveria ser um espaço de convencimento de debate de ideias. Acabou se tornando uma disputa em que todos os lados acusam e todos os lados violam as regras do jogo”.

Das 165 ações, apenas 101 tiveram resultados finais ou parciais divulgados. Dessas, 13 foram deferidas, 38 indeferidas e 50 tiveram outro tipo de decisão, como intimação de testemunhas. Já o Ministério Público Eleitoral entrou com 15 representações no TRE-MG.

Patrulha

Propaganda. A maioria das representações envolve o horário eleitoral, mas também há queixas quanto ao tamanho de placas, ofensas na internet e até os critérios para adesivagem de carros.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave