Lírico na Cidade adianta trecho da ópera ‘Rigoletto”, de Verdi

Concerto traz compositores operísticos dos séculos XIX e XX, como obras do brasileiro Carlos Gomes

iG Minas Gerais | Luciana Romagnolli |

Regente diz que interpretação dos cantores será “surpresa”
Paulo Lacerda - Fundação Clóv
Regente diz que interpretação dos cantores será “surpresa”

A apresentação de amanhã do coral Lírico na Cidade traz ao público obras de compositores operísticos dos séculos XIX e XX. O concerto será realizado na Fundação de Educação Artística, às 20h, com regência de Lincoln Andrade.

Na segunda parte do programa, está previsto um trecho de “Rigoletto”, do italiano Giuseppe Verdi (1813-1901). A Fundação Clóvis Salgado prepara para outubro a estreia da ópera completa. “Vamos fazer um prenúncio dessa temporada que está chegando. Uma pequena amostra do que estamos ensaiando no coro”, diz Andrade.

A abertura, contudo, será com a canção “Rejoice in he Lamb”, do inglês Benjamin Britten. “Ele escreveu uma série de óperas no hiato entre a Primeira e a segunda Guerra Mundial, uma das mais famosas é ‘Gloriana’, composta para a coroação da Rainha Elizabeth”, conta o regente, explicando a relação entre a canção e o restante do programa. “Escolhi essa peça dele porque é uma cantata e tem um formato próximo da ópera, com árias e recitativos”.

A cantata para soprano, contralto, tenor, baixo e órgão foi composta em 1943, inspirada num poema de Christopher Smart com características de louvor. “Christopher era um pouco além do tempo dele. Achava que a adoração a Deus não se fechava na igreja, era tudo: podia reverenciar as pedras, o gato, o rato. Isso era tido como profano, tanto que ele foi para um manicômio.”

A peça ainda homenageia o compositor russo Dmitri Shostakovich (906-1972), reprimido pelo regime soviético. “Também era um homem à frente do tempo dele”, opina o regente. A sonoridade diverge das óperas do século XIX por um maior arrojamento e grau de dificuldade, e pelas dissonâncias. “É um pouco menos ortodoxa, sem perder o lado lírico”, diz.

Completam o programa “Cavalleria Rusticana”, de Pietro Mascagni (1863-1945), para coro feminino. O bloco termina com duas de Carlos Gomes (1836-1896): “Aspra, crudel terribile”, terceiro ato de O Guarani, e a composição “iam Traditi si Amo perduti”, ato IV de “O Escravo”. E “Five Negro Spirituals”, do oratório “A Child of Our Time”, de Michel Tippet (1905-1998).

Agenda

O Quê. Lírico na Cidade

Quando. Amanhã, às 20h

Onde. Fundação de Educação Artística (rua Gonçalves Dias, 320), 3236-7400

Quanto. Entrada gratuita

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave