Todos têm o direito a informação clara

Para o coordenador do Procon Assembleia, Marcelo Barbosa, de acordo com a Lei do Cadastro Positivo (12.414/2011), quando se nega crédito para alguém, é preciso justificar

iG Minas Gerais | Janine Horta |

A Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste) esteve na audiência pública realizada em Brasília para discutir o sistema de “scoring” e defende que as pessoas têm o direito de saber como estão sendo classificadas para se defender e até para melhorar sua posição numa próxima tomada de crédito.  

“O consumidor tem que saber o que consta no cadastro dele para que ele possa se defender. Para nós, a falta de transparência e de informação sobre os critérios de classificação é o principal problema”, argumenta a coordenadora de relações institucionais da Proteste, Maria Inês Dolci.

Para o coordenador do Procon Assembleia, Marcelo Barbosa, de acordo com a Lei do Cadastro Positivo (12.414/2011), quando se nega crédito para alguém, é preciso justificar.

“Nenhuma empresa é obrigada a conceder crédito. Mas sou contra mascarar a informação. O consumidor tem que ser informado detalhadamente por escrito e bem orientado sobre os critérios objetivos pelos quais teve o crédito negado”. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave