Novos objetos são achados na região em que veleiro argentino desaparec

Peças foram avistadas por um avião da FAB durante uma ronda; buscas continuam em um local distante a 300 milhas da costa gaúcha

iG Minas Gerais | Da redação |

Seguem as buscas pelo veleiro Tunante II, que desapareceu na última terça-feira (26). Na tarde de sábado (30), um rebocador da Marinha do Brasil recolheu destroços que podem ser da embarcação argentina.

As peças foram avistadas por um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) durante uma ronda. É a segunda vez que as equipes de busca encontram partes que podem ser do barco.

Ainda não houve confirmação de que os destroços encontrados pertencem, de fato, ao veleiro argentino. Foram retirados do mar uma lona branca, coletes salva-vidas, boias e uma garrafa. Todo material foi levado à costa para análises. Na sexta-feira (29), um mastro foi recolhido pelo rebocador da Marinha.

As buscas, comandadas pelo 5º Distrito Naval do Rio Grande do Sul, continuam neste domingo (31), em uma região distante 300 milhas da costa gaúcha. De acordo com a FAB, de quinta a sábado as aeronaves utilizadas somaram 60 horas de voo, equivalente a uma cobertura de 25 mil milhas quadradas. Além de aviões da Força Aérea e do rebocador de alto mar Tritão, a Corveta Rosales, da Armada da Argentina, também auxilia nas buscas.

De acordo com a imprensa argentina, estavam a bordo o médico Jorge Benozzi, o genro dele, Mauro Cappuccio, e dois amigos, Alejandro Vernero e Horacio Morales. O veleiro, segundo a Marinha, tem 12,5 metros de comprimento. Saindo de Buenos Aires, os tripulantes tinham o Rio de Janeiro como destino. O primeiro pedido de ajuda ocorreu na terça-feira (26), por meio de um telefone por satélite.

Na madrugada seguinte, a tripulação de um navio mercante de bandeira norueguesa avistou o veleiro, mas não conseguiu se aproximar para fazer o resgate devido às condições do mar. Desde então, foram iniciadas as buscas pela embarcação argentina. 

Folhapress

Leia tudo sobre: Veleiroargentinorio grande do sul