Paraguai caça membros do PCC e CV em roças de maconha

Nos últimos cinco anos, 132 brasileiros foram presos na fronteira entre os dois países

iG Minas Gerais |

Mundo. Debates sobre maconha refletiram em mudanças legais nos Estados Unidos e no Uruguai
Matilde Campodonico
Mundo. Debates sobre maconha refletiram em mudanças legais nos Estados Unidos e no Uruguai

Assunção, Paraguai. Enquanto o debate sobre a legalização da maconha aparece na campanha eleitoral de presidente da República, além de refletir mudanças legais nos Estados Unidos e no Uruguai, uma força-tarefa policial internacional arrasa roças da droga no Paraguai, o principal fornecedor para o Brasil, e caça cerca de 40 brasileiros de facções criminosas, como Primeiro Comando da Capital (PCC) e Comando Vermelho (CV).  

Neste ano, pelo menos 1.800 hectares de plantações de maconha e 270 toneladas da droga pronta para o consumo foram destruídos e 13 cidadãos brasileiros capturados em solo paraguaio.

As informações são de um documento do governo paraguaio, obtido pelo jornal “O Estado de S. Paulo”, com balanço de 24 operações de um grupo especial de agentes criado por Brasil e Paraguai, com apoio dos EUA, para combater o narcotráfico na fronteira dos Estados do Mato Grosso e Paraná, no Brasil, e Amambay, Canindeyú, Caaguazú e Alto Paraná, no Paraguai.

O alvo principal é a maconha. “Lamentavelmente, o Paraguai é um dos principais produtores de maconha do mundo e o principal fornecedor da droga para o Brasil”, afirmou na semana passada Luis Alberto Rojas, ministro da Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) do Paraguai. Ele é encarregado de comandar a força especial que localiza lavouras, destrói as plantações e manda traficantes brasileiros de volta pela Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçu. “Sabe-se que 80% da maconha plantada no Paraguai vai diretamente para o Brasil”, declarou o chefe da Senad.

Nos últimos cinco anos, 132 brasileiros foram presos na região de fronteira entre os dois países, acusados de ligação com a produção e a distribuição da erva, em operações conjuntas da Senad com a Polícia Federal do Brasil, em parceria com a Drug Enforcement Administration (DEA), órgão de repressão às drogas do Departamento de Justiça dos EUA. Desses, 35 foram expulsos, devolvidos às autoridades brasileiras.

Operações. O documento revela que 35 dos traficantes procurados no Paraguai são ligados ao PCC, organização criminosa que atua nos presídios de São Paulo. Os outros 20 são do CV, facção do Rio. O relatório foi apresentado em reunião entre os comandos operacionais da força-tarefa do Brasil e Paraguai, em Assunção, no começo deste mês.

É um relato das ações de repressão aos traficantes, entre elas as Operações Nova Aliança, executadas durante os anos de 2012 e 2013. Os dados de 2014 vão até o último dia 11, véspera do encontro em Assunção.

Narcotráfico

Dano. De 2012 a março deste ano foram destruídos cerca de 29 milhões de pés de maconha em 2.878 hectares. O dano provocado no narcotráfico seria de US$ 264,8 milhões no período.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave