Página de Dilma no Facebook ataca Marina, uma "evangélica fervorosa"

Mudança de posição sobre propostas LGBT, caso do jato que matou Eduardo Campos e plebiscito sobre aborto são temas

iG Minas Gerais | Da Redação |

Com as candidatas Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB) numericamente empatadas na primeira colocação, ambas com 34% das intenções segundo pesquisa Datafolha divulgada na sexta-feira (29), a campanha petista partiu para o ataque contra a ex-senadora e ex-ministra do governo Luiz Inácio Lula da Silva. Em texto publicado na página oficial de Dilma no Facebook na tarde deste sábado (30), intitulado "Incoerência crônica", Marina é chamada de "grande ponto de interrogação" e de "evangélica fervorosa". A redação procura atacar a candidata pessebista em três pontos: A eliminação de trechos sobre a comunidade LGBT do programa de governo, divulgado na sexta (29); O pagamento do jatinho em que o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos morreu por meio de empresas fantasma; E a defesa que Marina faz de um plebiscito para decidir sobre a legalidade ou não do aborto. Trata-se do primeiro ataque da campanha de Dilma a Marina por meio de canais oficiais. Textos criticando a ex-ministra do Meio Ambiente já haviam sido publicados no site Muda Mais, que é ligado ao comando da campanha petista, mas não tem caráter oficial.   "PLAYBOY" Em janeiro deste ano, texto publicado na página oficial do PT nacional chamava o então presidenciável Eduardo Campos de "playboy". Intitulado "A balada de Eduardo Campos", o artigo afirmava ainda que o governador era um "tolo" e que "vendeu a alma à oposição" ao descartar a aliança com o PT e decidir se lançar ao Palácio do Planalto. "Ao descartar a aliança com o PT e vender a alma à oposição em troca de uma probabilidade distante - a de ser presidente da República -, Campos rifou não apenas sua credibilidade política, mas se mostrou, antes de tudo, um tolo", dizia o artigo. Diante da polêmica, na época, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, afirmou que o comando do partido passaria a monitorar os textos em canais oficiais, responsabilizando-se pelo conteúdo publicado.

Leia tudo sobre: eleiçãomarinaeleiçõesmarina silvadilma roussefffacebook