Invasão de quadra de jogador de futsal dá título ao Olympico

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Jogo teve final que deixou até membros do Olympico envergonhados
Divulgação
Jogo teve final que deixou até membros do Olympico envergonhados

 

Um lance que já foi visto algumas vezes no futebol aconteceu durante a final do Metropolitano de futsal, na última sexta-feira, entre Olympico Club e Tambasa-Minas.

Um jogador do banco de reservas do Olympico invadiu a quadra para impedir um gol do adversário, fazendo a partida ganhar um contexto inesperado, que gerou muita revolta no elenco minastenista.

A partida, válida pelo terceiro turno, foi disputada no ginásio do Santo Agostinho, no Vale dos Cristais, em Nova Lima e o empate dava a primeira posição ao time da Serra, que havia vencido os dois primeiros turnos.

O placar, que marcava 6 a 5 para o Minas, na prorrogação, dava o título ao clube da rua da Bahia. O Olympico foi pra cima e estava prestes a levar o sétimo gol, que seria marcado pelo goleiro Thomaz, a 4min do fim.

Quando a bola se aproximava da linha, Júlio Nunes, do Olympico, que não participava do jogo, entrou em quadra e evitou o gol. O atleta foi expulso e o gol não foi validado.  Cresceu. Na sequência, faltando apenas 30s para o fim do jogo, o Minas sofreu o empate e viu a taça escapar de suas mãos. O resultado deu o título do Tricolor da Serra, que comemorou o resultado, que teve contribuição de uma atitude antidesportiva de um atleta. O ocorrido deixou o elenco do Minas indignado. Rafael Cozzi, técnico do Olympico, não aprovou o fato. "Foi algo antidesportivo, ganhar assim deixa o sabor do título um pouco amargo. Quando fizemos o último gol, mal comemoramos. Em nome de toda a equipe, fui me desculpar com o elenco do Minas depois do jogo. Alguns entenderam, outros ficaram mais incomodados. Estou muito envergonhado", lembra Cozzi.

O técnico do Minas não escondeu a frustração após a partida. “Fico profundamente chateado. É uma vergonha para o futsal. Mas quero ressaltar que estivemos bem em quadra, buscamos o placar por três vezes. Meus atletas conseguiram fazer o que pedi. Isso é que é importante”, resume o técnico do Minas Paulo César Cardoso.

Nota no site do Minas informa que Júlio foi chamado de herói pelos companheiros, ainda nos vestiários do ginásio. Cozzi desmente o ocorrido e garante não ter nenhuma relação com a decisão. "Foi uma decisão exclusiva e impensada do Júlio. Ele chorou muito depois do jogo e pediu desculpas. Está arrependido", indica.

Júlio, de 26 anos, será julgado e pode pegar até dois anos de gancho. "Se isso acontecer, ele deve parar de jogar", acredita o treinador.

Final de Copa. Os resultados dos últimos anos pesaram bastante para a decisão do pivô. O Olympico não ganhava o Metropolitano há 38 anos, enquanto o Minas se aproximava da 12ª conquista consecutiva.

"Os jogadores do Olympico trabalham durante o dia e treinam à noite, a rotina é bastante diferente do Minas. São exemplos de superação, jogam futsal por amor. Ninguém ali tem mais a ambição de ser profissional. Estávamos confiantes e entramos como se fosse uma final de Copa. Para o Minas, era uma final de Metropolitano. Tudo isso influenciou pra decisão do Júlio", destaca Cozzi, que teme pela sua carreira. "Meu receio é algumas pessoas acharem que eu estava envolvido, o que não procede", reforça.

O Minas, agora, se concentra na Liga Futsal, onde ocupa a 16ª posição. O próximo jogo acontece na quarta-feira, às 19h50, no ginásio Divino Braga, em Betim, contra o Florianópolis.

Relembre casos parecidos:

Série D de 2013 - Tupi-MG x Aparecidense-GO. Massagista Esquerdinha, do time goiano evitou gol da classificação do Tupi, aos 44min do segundo tempo. Profissional estava próximo do gol quando atacante mineiro já havia até driblado o goleiro.

Taça Rio 2013 - Bangu x Duque de Caxias. Celsinho, do Bangu, invadiu o campo, após estar do lado de fora para receber atendimento médico. Placar estava empatado em 2 a 2 e incidente aconteceu no último minuto. Celsinho foi expulso e árbitro marcou tiro livre indireto, que não resultou em gol.

Sexta divisão do Campeonato Argentino - Huracan Las Heras x Club Atletico Union. Goleiro reserva Fernando Espinoza, do Huracan, impediu gol do adversário. Recebeu apenas cartão amarelo e árbitro deu escanteio para o Atletico Union.

Ponta Porã x Coxim, 2012. Massagista Alzemiro, do Ponta Porã, entrou em ação para defender a meta do seu time. Profissional havia atendido um jogador próximo ao gol minutos antes. Seu chutão impediu empate.

Campeonato Sergipano de 2012 - gandula evitou gol do Sergipe sobre o Guarany e já era fim do jogo. Gol estava vazio porque goleiro do Guarany foi para o ataque buscar o empate. Árbitro deu, apenas, bola ao chão.

No futsal

Minas x Carlos Barbosa - Jogador do Minas impediu gol do time gaúcho. Wender, do Minas, estava em quadra na situação e no jogo de ontem, também.

Minas x Praia (sub-20), 2012 - Preparador físico do Minas invadiu a quadra quando o Praia tinha três jogadores contra o goleiro. Chute na bola impediu contra-ataque. Vejo vídeos com algumas das invasões que já aconteceram