Força-tarefa para salvar PSDB

Aécio perdeu 2,2 milhões de votos em agosto, e campanha agora vai se concentrar no Estado

iG Minas Gerais | Larissa Arantes / Ricardo Corrêa / Tâmara Teixeira |

Trem. Ao lado do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, Aécio visitou uma estação de monotrilho
Marcos Fernandes/PSDB/Divulgação
Trem. Ao lado do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, Aécio visitou uma estação de monotrilho

A pesquisa DataTempo mostra que, em três semanas, o candidato à Presidência Aécio Neves (PSDB) perdeu 2,2 milhões de votos em Minas. No início do mês, o tucano registrava 6,2 milhões, e agora tem 4 milhões. A diferença corresponde ao que a também candidata Marina Silva (PSB) conquistou em Minas: dos 3,1 milhões de votos atuais, 2,3 milhões foram adquiridos neste período, marcado pela morte de Eduardo Campos (PSB).

A queda provocou reviravolta na equipe tucana. O cenário inesperado motivou a convocação de uma reunião emergencial com todo o grupo político da candidatura na próxima quinta-feira em Belo Horizonte. Além disso, já está definida uma mudança na rota das viagens. Se antes o presidenciável concentraria esforços no Nordeste e em São Paulo, agora Minas passa a ser destino estratégico. No novo plano para recuperar o desempenho do tucano em seu reduto, nomes de peso do partido foram chamados a elaborar estratégias exclusivas para o Estado. Entre os convocados para apagar o incêndio – que vem sendo provocado principalmente pela entrada de Marina na disputa –, estão dois nomes de extrema confiança de Aécio: a irmã dele, Andrea Neves, e Leo Couto, ligado ao ex-secretário de governo de Minas Danilo de Castro (PSDB). Todas as alterações no tabuleiro tucano têm como objetivo melhorar o desempenho tanto de Aécio quanto de Pimenta da Veiga (PSDB) na disputa pelo governo estadual. “O fortalecimento do quadro mineiro pode recuperar o fôlego da campanha nacional”, disse uma fonte da legenda em condição de anonimato, confirmando o clima de tensão. Danilo de Castro assumiu anteontem a coordenação geral da campanha de Pimenta no lugar do deputado federal Alexandre Silveira (PSD). A intenção é que ele possa alavancar a chapa turbinando as agendas no interior. A mudança foi adiantada pelo blog Olho Neles, de O TEMPO. Segundo informações de bastidores, a movimentação intensa dos últimos dias também tenta segurar lideranças aliadas no pleito estadual que ameaçavam “abandonar o barco”. Desde o início da disputa, a meta da campanha de Aécio era conquistar uma frente de 4 milhões de votos no Estado. Para o diretor da Associação Brasileira de Consultores Políticos e professor de marketing político da UFMG Rodrigo Mendes, não há casamento dos votos de Pimenta e Aécio. “Agora, Aécio precisa de um candidato forte, e não de alguém que tenha que ajudar, além de pensar em si”, analisa.

Equipe Tensão. A mudança na estrutura da coordenação de campanha de Pimenta da Veiga causou mal-estar na equipe ontem. Integrantes revoltados chegaram a afirmar que a intenção era “varrer” correligionários do atual grupo.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave