Pena será cumprida em prisão especial

O benefício é garantido pela Lei Orgânica da corporação. Ela estabelece que mesmo policiais exonerados, como é o caso de Leal, têm direito de ficar na Casa de Custódia

iG Minas Gerais | Bernardo Almeida |

Condenado a 12 anos de prisão na quinta-feira, Lúcio Lírio Leal cumprirá pena em uma cela coletiva, com capacidade para dez presos, na Casa de Custódia da Polícia Civil, no bairro Horto, na região Leste de Belo Horizonte. A cela tem 6,70 m de largura e 3,70 m de comprimento. O complexo, inaugurado em 2006, tem capacidade para 46 presos (seis celas individuais e dez coletivas), e hoje abriga 40 pessoas.  

O benefício é garantido pela Lei Orgânica da corporação. Ela estabelece que mesmo policiais exonerados, como é o caso de Leal, têm direito de ficar na Casa de Custódia. Outro favorecido pela norma foi o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, condenado a 22 anos de prisão pela morte de Eliza Samudio.

Segundo a Polícia Civil, a medida é uma prerrogativa, não um privilégio, com o objetivo de resguardar a integridade física dos policiais. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave