Estar conectado todo o tempo muda o modo de pensar no futuro

Jovens já quase não usam mais e-mail; com eles, é mensagem

iG Minas Gerais | Ana Paula Pedrosa |

Juventude ligada. As redes sociais e os aplicativos de mensagens são os mais usados pelos jovens para se comunicar
microsoft/divulgação
Juventude ligada. As redes sociais e os aplicativos de mensagens são os mais usados pelos jovens para se comunicar

Seja no notebook, no tablet ou principalmente no celular, os jovens estão conectados o tempo inteiro. A percepção foi confirmada em números pela pesquisa “Juventude Conectada”, da Fundação Telefônica Vivo, que analisou o comportamento online de 1.440 jovens com idades entre 16 e 24 anos em todas as regiões do país. “A gente percebe que eles estão muito conectados e isso provoca mudanças de comportamento, na maneira como eles se relacionam e como pensam o futuro e o trabalho”, diz a diretora presidente da instituição, Gabriela Bighetti.

O relações públicas Matheus Menezes, 22, vivencia o que a pesquisa mostra. “É tanto aplicativo o dia todo que eu fico até cansado”, afirma ele, que usa o smartphone tanto para trabalhar quanto para assuntos pessoais e não desliga o telefone nunca. “Olho antes de dormir e logo que acordo”, diz. A pesquisa mostra que ele não está sozinho: 71% dos jovens conectados acessam a internet usando seus celulares e 90% deles checam as redes sociais, os e-mails e os aplicativos de mensagem instantânea diariamente. A maioria passa os olhos no celular mais de uma vez ao dia. As redes sociais são as mais utilizadas e, junto com os aplicativos de mensagem, são o meio mais usado para comunicação. Apenas 35% dos jovens ainda usam o e-mail, de acordo com a pesquisa. A comunicação é o principal uso da internet pelos jovens. Em seguida aparecem atividades de lazer e busca por informação. Para os jovens, a web é a principal fonte de informação, à frente de jornais, revistas e até das escolas. “Muitos afirmam que buscam na internet conhecimentos que eles não vão adquirir na escola”, diz Gabriela Bighetti. Ela ressalta que, apesar de ter o intenso uso da internet como traço em comum, os jovens mantêm sua individualidade online. “Não tem uma juventude conectada, tem várias. A internet permite esse uso customizado, individualizado”, oberva. Empreendedorismo. Os jovens afirmaram que a internet mudou a maneira como buscam informação e como se relacionam com as pessoas e também tem influência na maneira de pensar o futuro e planejar suas carreiras. A maioria acredita que a rede é importante no apoio a futuros projetos profissionais e 35% pretendem usar a web de forma empreendedora, para criar o próprio negócio. Comércio online. A compra online é a atividade menos realizada pelo jovem brasileiro na internet, mas, de acordo com os pesquisadores, é uma “tendência a ser observada”. As compras virtuais são realizadas por 46% dos pesquisados, sendo que 22% deles disseram ter realizado alguma compra no mês anterior à realização da pesquisa. Se não fazem da rede o principal meio de compras, os jovens já descobriram as facilidades de fazer pesquisa de preços online: 81% deles declararam que fazem levantamento de valores de produtos e serviços via web. 

Flash Método. Além dos questionários a quase 1.500 pessoas, a pesquisa monitorou a atividade online de dez jovens durante 30 dias. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave