Tinga se solidariza com Aranha na batalha contra o preconceito

Volante do Cruzeiro divulgou nota oficial no site da Raposa mostrando indignação pelos atos de torcedores do Grêmio dinate do goleiro santista

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Esportes - O volante Tinga reuniu a imprensa em sua casa , na regiao Centro - Sul de Belo Horizonte MG,  apoiado em muletas e com dificuldade para se locomove r, ele falou sobre a recuperacao da que considera a pior lesao da carreira , ressaltou o apoio do Cruzeiro nesse momento dificil . O volante sofreu uma grave fratura na tibia e na fibula da perna direita durante treinamento na Toca da Raposa II , na ultima sexta - feira . Passou por cirurgia no sabado e segue se recuperando . Foto: Alex de Jesus/O Tempo 28/08/2014
AJL
Esportes - O volante Tinga reuniu a imprensa em sua casa , na regiao Centro - Sul de Belo Horizonte MG, apoiado em muletas e com dificuldade para se locomove r, ele falou sobre a recuperacao da que considera a pior lesao da carreira , ressaltou o apoio do Cruzeiro nesse momento dificil . O volante sofreu uma grave fratura na tibia e na fibula da perna direita durante treinamento na Toca da Raposa II , na ultima sexta - feira . Passou por cirurgia no sabado e segue se recuperando . Foto: Alex de Jesus/O Tempo 28/08/2014

Em recuperação de uma recente cirurgia na perna direita, por fratura na tíbia e fíbula, o volante Tinga não deixou passar em branco o episódio de racismo sofrido pelo goleiro Aranha, do Santos. Na partida contra o Grêmio, o arqueiro do Peixe foi hostilizado por torcedores gremistas, que o chamaram, dentre outras coisas, de “macaco”.

Também vítima de racismo em fevereiro, quando insultado por torcedores do Real Garcilaso-PER,  em jogo da Libertadores, Tinga, que na época recebeu apoio até da presidente Dilma Rousseff, se solidarizou com o companheiro de profissão. O jogador está à frente de um projeto chamado "Chutando o Preconceito", em parceria com a Central Única de Favelas (Cufa), e combate o preconceito com ações sociais. 

Por meio de uma nota, o meio-campista celeste mostrou sua indignação com o fato.

Acompanhe na íntegra o texto publicado no site oficial do Cruzeiro

“Vi com enorme pesar as manifestações racistas ocorridas ontem, na Arena do Grêmio, com a tentativa de desestabilizar um companheiro de profissão. As imagens foram chocantes, provocando repulsa. É lamentável que em nosso país ainda vejamos com frequência episódios como esse. Não foi a primeira vez que nós, do futebol, somos vítimas de tamanho absurdo, mas, a cada novo constrangimento, fica sempre a esperança de que seja o último.

Quero aproveitar para deixar minha total solidariedade ao goleiro Aranha, profissional honrado e merecedor de todo o respeito. Vou continuar combatendo e condenando como sempre fiz qualquer tipo de preconceito, independente de acontecer com uma pessoa ligada ao futebol. Espero, também, que não seja feito nenhum julgamento hipócrita, com o intuito de condenar um ou outro torcedor sem que os verdadeiros responsáveis sejam apontados. Continuo acreditando que um dia ainda vamos viver em um mundo com mais justiça e menos desigualdades” 

 

Leia tudo sobre: cruzeiroraposatingaaranhasantosracismo