Torcedora que xingou Aranha é afastada de emprego

Patrícia Moreira trabalha como auxiliar de saúde bucal em uma clínica que presta serviço para a Brigada Militar gaúcha

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

A jovem que foi flagrada chamando de "macaco" o goleiro Aranha, do Santos, durante o jogo contra o Grêmio, na última quinta-feira à noite, em Porto Alegre, pelas oitavas de final da Copa do Brasil, foi afastada de seu trabalho. Patrícia Moreira trabalha como auxiliar de saúde bucal em uma clínica que presta serviço para a Brigada Militar gaúcha. A decisão foi tomada ainda na quinta-feira, logo após ela ter sido flagrada pelas imagens captadas pela ESPN. A repercussão negativa do caso nas redes sociais também motivou o afastamento da jovem. Conforme a assessoria de imprensa da Brigada Militar, tanto a corporação de polícia gaúcha quanto a empresa de odontologia repudiam a postura adotada pela torcedora e por isso pediram o afastamento dela. A fim de identificar os demais envolvidos no episódio de racismo o chefe da Polícia Civil no Rio Grande do Sul, delegado Guilherme Wondracek, pede aos torcedores do Grêmio que denunciem as pessoas envolvidas nos atos racistas contra o goleiro Aranha. "No caso em concreto que envolve o jogador Aranha do Santos, os torcedores que estiveram ontem lá, e conheçam e possam identificar os torcedores, podem procurar a polícia", disse. Após o árbitro Wilton Pereira Sampaio ter incluído na súmula os atos de racismo proferidos por um grupo de torcedores gremistas, o Grêmio pode ser punido com perdas de mandos de campo ou até ser excluído da Copa do Brasil, caso seja condenado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

Leia tudo sobre: RacismoFutebolGrêmioSantostorcedoraPatricia Amorim