O grande sonho de Eduardo Campos para a educação

iG Minas Gerais |

As palavras só têm impacto político quando assinadas por líderes. Durante o velório de Eduardo Campos, representantes do Sindicato dos Professores de Timbaúba, cidade de Pernambuco, carregavam faixa com a frase: “No dia em que os filhos do pobre e do rico estudarem na mesma escola, nesse dia o Brasil será o país que queremos. Assinado: Eduardo Campos”. Essa afirmação mostra que ele era um candidato diferente. Primeiro, por acreditar em uma meta ambiciosa para o país, que os outros não imaginaram; segundo, por propor ideia que exige planejamento de longo prazo recusado pelos candidatos; terceiro, por acreditar que o vetor do progresso está na educação de qualidade para todos. Tivesse vivido mais alguns dias, ele possivelmente apresentaria a estratégia de como seu governo iniciaria a construção desse Brasil, dizendo: “O meu governo adotará as escolas das cidades cujas prefeituras não disponham de recursos financeiros e humanos para oferecer educação de qualidade para todas as suas crianças”. Para essas cidades enviaria professores de uma carreira nacional, com bom salário, selecionados com rigor, comprometidos, com dedicação exclusiva e sujeitos a avaliações periódicas. Construiria escolas confortáveis e as equiparia com o que há de mais moderno em tecnologia da informação para a área pedagógica. Faria com que todas essas escolas tivessem um regime de aulas em horário integral. E diria que o custo dessa revolução seria de R$ 9.500 por aluno anualmente, comparado com os atuais R$ 3.000. Em 20 anos, supondo crescimento de apenas 2% ao ano para o PIB, o custo total para todas as escolas de todas as cidades ficaria em 6,6% do PIB, atendendo os 46 milhões de alunos estimados para 2034. O sonho de Eduardo Campos poderia ser realizado e ainda deixaria livres 3,4% dos 10% do PIB previstos pela Lei 13.005/2014 do Plano Nacional de Educação (PNE) para outros gastos com o setor. Sua frase contém um sonho possível para a riqueza e a capacidade técnica do Brasil. Sua realização exigia um presidente com visão de longo prazo, capacidade de diálogo e articulação para construir a base política necessária. Sua morte deixou órfãos todos os que sonham e acreditam nessa proposta e a veem como o caminho para construir “o Brasil que queremos”. Mas um líder político não morre, ele entra na história, deixando seus sonhos e suas propostas para que outros continuem sua luta. Neste ano de 2014, seria bom se algum ou alguns dos candidatos aceitassem carregar a bandeira de Eduardo Campos exposta na faixa durante seu velório. Se, como parece provável, nenhum deles se sensibilizar por não acreditar no sonho, considerá-lo inviável ou não o desejar por preferir manter a educação como um privilégio dos que podem pagar por ela, o Brasil não desistirá, esperará por outro candidato que, no futuro, adote Eduardo, porque a bandeira continuará viva mesmo depois de sua morte.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave