Tinga coloca o Cruzeiro como o melhor clube de sua carreira

Volante destacou identificação com a equipe mineira e o bom ambiente entre os jogadores celestes

iG Minas Gerais | DIEGO COSTA |

Esportes - O volante Tinga reuniu a imprensa em sua casa , na regiao Centro - Sul de Belo Horizonte MG,  apoiado em muletas e com dificuldade para se locomove r, ele falou sobre a recuperacao da que considera a pior lesao da carreira , ressaltou o apoio do Cruzeiro nesse momento dificil . O volante sofreu uma grave fratura na tibia e na fibula da perna direita durante treinamento na Toca da Raposa II , na ultima sexta - feira . Passou por cirurgia no sabado e segue se recuperando . Foto: Alex de Jesus/O Tempo 28/08/2014
AJL
Esportes - O volante Tinga reuniu a imprensa em sua casa , na regiao Centro - Sul de Belo Horizonte MG, apoiado em muletas e com dificuldade para se locomove r, ele falou sobre a recuperacao da que considera a pior lesao da carreira , ressaltou o apoio do Cruzeiro nesse momento dificil . O volante sofreu uma grave fratura na tibia e na fibula da perna direita durante treinamento na Toca da Raposa II , na ultima sexta - feira . Passou por cirurgia no sabado e segue se recuperando . Foto: Alex de Jesus/O Tempo 28/08/2014

São 65 jogos com a camisa celeste, em cerca de dois anos na Toca da Raposa II, e dois títulos conquistados, o Campeonato Mineiro e o Brasileirão. Mas para o volante Tinga, os números são frios para mostrar o que Cruzeiro representa em sua carreira. Aos 36 anos, ele enfrenta a pior lesão que já sofreu, uma fratura na perna direita. A identificação e o ambiente no clube são vistos por ele como diferenciais para a sua recuperação.

O volante revelou que, em entrevista à imprensa gaúcha, disse que o momento que vive na equipe mineira é o melhor que já teve.

“Sempre fui sincero em minhas entrevistas. Quando conversei com a imprensa do Sul e perguntaram o que tinha com o Cruzeiro para ter essa identificação. Quiseram fazer uma comparação com 2006, no Internacional, quando fui campeão da Libertadores, do Mundo, eu falei que o que vivo no Cruzeiro não vivi no Grêmio, no Inter ou Alemanha. Mesmo que no Internacional tenha sido titular. Foi o que falei. Mas aqui eu me sinto bem, é o clube que mais senti a amizade de todos, dos funcionários. As pessoas se assustam com isso, pois quem trabalhou comigo no Inter, sabe da moral que eu tinha, tanto que o presidente me ligou, jogadores foram ao hospital após a cirurgia, o Abel Braga também. A mesma coisa que tenho aqui tive lá, mas não tive essa união igual no Cruzeiro”, contou o jogador cruzeirense.

“Emociona demais (o apoio dos jogadores). O Moreno esteve aqui no outro dia, conversamos bastante. Eles sabem que sou muito reservado. Às vezes a gente discute com jogadores, diretoria, por causa de pensamentos diferentes, mas tudo para o bem comum do Cruzeiro. Já falei coisas que precisavam ser ditas. O foco do Cruzeiro vencer estar sempre acima. Tem dia que o jogador não está bem, mas acontece. Mas os atletas que chegam ao clube parecem ser escolhidos a dedo. Todo mundo chega e, com um mês, parece que está há muito tempo no time”, completou o volante.

Ao ser questionado sobre a postura dos colegas de time, que disseram que dedicariam título brasileiro para ele, caso a taça venha no fim do ano, Tinga foi direto na resposta.

“Mesmo que não dedicassem eu iria pressioná-los. Agora que eu estou fora, não estarei do lado, é que vou 'encher o saco' mesmo”, brincou o jogador.

Leia tudo sobre: TingaCruzeirovolantefutebollesãocoletiva