Iran entra na Justiça contra Mesa

iG Minas Gerais |

Discussões acaloradadas durante a semana fizeram que o vereador Iran Barbosa (PMDB) acionasse a Justiça para requerer um mandado de segurança para suspender as sessões. A Justiça negou, mas concedeu um pedido de informação, junto à presidência da Casa. O objetivo é saber se as sessões foram conduzidas conforme o Regimento Interno.

Durante a plenária de ontem, um oficial de Justiça chegou na Casa para entregar o pedido de informação e a reunião foi interrompida por dez minutos.

A ação, proposta por Barbosa surgiu em represália a uma declaração do presidente em exercício, Wellington Magalhães (PTN). Na extraordinária de segunda-feira, enquanto discutiam um requerimento, Wellington Magalhães disse a Barbosa que iria “tratorar” a discussão e, caso ele se sentisse que prejudicado, que procurasse a Justiça.

“O presidente passou por cima do regimento. Agora vai ter que explicar. Todos os atos discutidos podem ser anulados”, disse Iran Barbosa.

No momento em que o documento chegou, sem saber exatamente do que se tratava ao certo, muitos parlamentares declararam que o acordo para a votação da pauta emperrada seria suspenso. Mas, rapidamente, a situação foi controlada e os vereadores voltaram às suas cadeiras para votar o projeto do Hospital do Barreiro e o reajuste dos servidores municipais.

O líder de governo, o vereador Preto (DEM), garante que a medida não tem efeito na apreciação das matérias nas extraordinárias e nem poderá provocar a obstrução da pauta. “Foi só um pedido de informação. Mas as reuniões foram feitas como manda o Regimento Interno.” (GR)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave