Luz amarela em Minas Gerais

Crescimento de intenções de voto em Marina Silva coloca campanha tucana e petista em alerta

iG Minas Gerais | Isabella Lacerda Larissa Arantes |

Pimentel recebeu lista com as reivindicações de grupos indígenas de Minas Gerais
FERNANDA CARVALHO
Pimentel recebeu lista com as reivindicações de grupos indígenas de Minas Gerais

O novo cenário eleitoral da disputa pela Presidência da República também acendeu o alerta nas campanhas de PT e PSDB pelo governo de Minas. Oficialmente, nem a equipe do tucano Pimenta da Veiga nem a do petista Fernando Pimentel admitem alterações nas táticas para atrair votos no Estado para o senador Aécio Neves e a presidente Dilma Rousseff. Eles demonstram, porém, preocupação com o crescimento da ex-senadora Marina Silva (PSB) e, por enquanto, preferem atribuir o bom desempenho da socialista à “comoção” pela morte de Eduardo Campos. O fato, entretanto, acendeu a luz amarela.

Apesar da necessidade de Aécio manter uma frente expressiva de votos em Minas – em relação a Dilma e, agora, a Marina –, lideranças do PSDB veem o quadro como reversível. Anteontem, o Ibope mostrou a candidata à reeleição com 34%, enquanto Marina aparece com 29%, ultrapassando Aécio, que tem 19%. “Esse resultado é recorrente de um momento de comoção. A pesquisa foi iniciada no dia seguinte ao velório de Campos. É reflexo desse momento”, avalia o deputado federal Paulo Abi-Ackel (PSDB).

Figura próxima a Aécio, o parlamentar não acredita que o presidenciável terá que vir mais a Minas. “A estratégia tem que permanecer a mesma. Ele tem que percorrer todo o Brasil”, afirma.

A mesma opinião é externada pelo deputado tucano João Vítor Xavier. “O Aécio não perdeu nada, continua próximo de 20%. Se foi ruim para alguém, foi para Dilma, que despencou. Estaremos no segundo turno, não sabemos se com Dilma ou Marina”, aposta.

Na avaliação de Fernando Pimentel, Marina está sendo beneficiada “pela lamentável morte de Eduardo Campos”, mas ele acredita que “o maior prejudicado é Aécio”. “Ele (Aécio) ficou em terceiro lugar e não vejo muita perspectiva de ele sair dessa posição”, diz.

O candidato petista avalia que uma primeira etapa da disputa nacional para a reeleição da presidente Dilma já foi vencida, com o sucesso “do campo democrático popular”. “Você tem duas candidaturas claramente do campo democrático popular e uma do campo conservador. Quem está perdendo nesse momento é o campo conservador, que mal chega a 25% de votos. Não resta dúvida que o Brasil já fez a primeira opção”, completou o petista.

Novo cenário

“Ele (Aécio) ficou em terceiro lugar e não vejo muita perspectiva de ele sair dessa posição.”

Fernando Pimentel (PT)

“A campanha ainda está fria. Aécio tem que se apresentar ao Brasil. Dilma segue ladeira abaixo.”

João Vítor Xavier (PSDB)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave