Especialista infectado com ebola chega à Alemanha para tratamento

O epidemiologista da OMS foi contaminado em Serra Leoa pelo vírus que provoca febres hemorrágicas e tem taxa de mortalidade de até 90%

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Alerta. Vírus é transmitido por fluidos corporais, situação agravada em locais com pouca infraestrutura
Michael Duff/ap - 9.82014
Alerta. Vírus é transmitido por fluidos corporais, situação agravada em locais com pouca infraestrutura

Um especialista senegalês da Organização Mundial da Saúde (OMS) infectado pelo vírus ebola foi internado nesta quarta-feira (27) em um hospital de Hamburgo, norte da Alemanha, e será o primeiro paciente tratado pela doença no país.

O epidemiologista da OMS foi contaminado em Serra Leoa pelo vírus que provoca febres hemorrágicas e tem taxa de mortalidade de até 90%.

Rico Schmidt, porta-voz das autoridades sanitárias de Hamburgo, indicou que o trabalhador da OMSchegou a Hamburgo por volta das 10h locais em um avião especialmente condicionado.

O paciente ficará internado no hospital universitário de Hamburgo-Eppendorf (UKE). O UKE é especializado no tratamento de doenças altamente contagiosas.

No fim de julho, a OMS já havia solicitado a internação no local de um de seus colaboradores, mas o médico contaminado morreu antes da viagem para a Alemanha.

Pelo menos 120 agentes de saúde já morreram de ebola.

A epidemia de ebola, que afeta Libéria, Guiné, Serra Leoa e, em menor medida, a Nigéria, provocou 1.427 mortes desde março. Ao todo, 2.615 pessoas foram infectadas.

Não existe nenhuma vacina ou tratamento para o vírus, transmitido por contato direto com fluidos corporais. A coordenação da ONU no combate ao vírus ebola alertou esta semana que a luta contra a epidemia pode levar até seis meses.

Um britânico, que vive em Serra Leoa e foi contaminado pelo vírus, foi hospitalizado no domingo (24) em Londres.

França

O governo francês recomendou aos seus cidadãos evitar Serra Leoa e Libéria, devido ao risco de contaminação, e pediu à Air France-KLM que suspenda os voos para a capital de Serra Leoa, Freetown.

"Levando em conta a evolução da epidemia e a situação dos sistemas sanitários (...), os poderes públicos recomendam à companhia Air France que suspenda temporariamente seu serviço de transporte para Freetown", afirma um comunicado emitido depois de uma reunião do Conselho de Ministros.

O governo não solicitou a suspensão de voos para Nigéria e Guiné.

A França disse que a recomendação vale para pessoas cuja presença nesses países não era absolutamente necessária.

Leia tudo sobre: Tratamentoespecialistamédicoebolasaúdesurtoepidemiavirusmorteinfecção