Jato seria declarado ao fim da campanha, diz nota do PSB

Partido lembra que a Justiça Eleitoral permite que a prestação seja feita ao término da disputa

iG Minas Gerais | Da Redação |

A direção do PSB informou nesta terça-feira, 26, em nota, que o avião Cessna Citation 560 XL, prefixo PR-AFA, que caiu em Santos no último dia 13 e matou o então candidato do partido à Presidência da República Eduardo Campos seria declarado à Justiça Eleitoral ao fim da campanha. Segundo o PSB, o uso do jato foi autorizado pelos empresários João Carlos Lyra Pessoa de Mello Filho e Apolo Santana Vieira e permaneceria em serviço até o final da campanha eleitoral.  "Nos termos facultados pela legislação eleitoral, e considerando o pressuposto óbvio de que seu uso teria continuidade até o final da campanha, pretendia-se proceder à contabilização ao término da campanha eleitoral, quando, conhecida a soma das horas voadas, seria emitido o recibo eleitoral, total e final", afirmou a legenda, em nota assinada pelo presidente nacional do PSB, Roberto Amaral.  O texto afirma que a tragédia que matou Campos e mais seis pessoas provocou mudanças na direção partidária e na estrutura de comando da campanha que dificultaram o levantamento de informações.  

Leia tudo sobre: eleiçãoeleiçõesmarina silvamarinaeduardo campospsbaviãojatodeclaração