Tinga recebe dos amigos força para superar grave lesão

Em entrevista à imprensa gaúcha, volante, que fraturou a perna direita, conta o que faz para superar maior trauma da carreira

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Tinga é um dos escolhidos de Marcelo Oliveira para confronto na Bahia
Washington Alves / Light Press
Tinga é um dos escolhidos de Marcelo Oliveira para confronto na Bahia

A tarde da sexta-feira, dia 22 de agosto, nunca será esquecida por Tinga. O volante, que fraturou a perna direita em um treino na Toca da Raposa II, abriu o coração em entrevista à imprensa gaúcha e falou do início de sua recuperação e do quanto se lembra do momento da lesão.

Veterano no auge de seus 36 anos, Tinga pensou que poderia ser o fim da sua carreira. No entanto, foi tranquilizado pelos médicos e recebe forças dos amigos para superar o trauma. Principalmente do diretor de futebol Alexandre Mattos, um dos responsáveis por tirar da cabeça do jogador a ideia de aposentadoria.

“Na sexta-feira, mesmo, o diretor (Alexandre Mattos) chegou lá, entrou no quarto e disse “Que parar… quero te ver correndo já na outra semana, levanta essa cabeça. Quando você chegou do Inter eu disse que você ia ficar três anos comigo. Ele me colocou para cima”, disse Tinga em entrevista ao portal Zero Hora. 

“Chorei muito. Pensei que o futebol havia acabado para mim. (a fratura) Foi em um lance normal, de treino. Jogávamos sete contra sete. O Dagoberto me passou a bola, eu dominei, na hora do giro, me choquei com o Rafael (goleiro do Cruzeiro). Não sei dizer se ele se chocou comigo e bateu com o braço ou com a perna. Sei que deu um estalo alto, ali eu já sabia que tinha quebrado, perna estava mole. Senti tanta dor que não enxergava direito. Olhava para a frente, via a goleira e enxergava tudo turvo”, detalhou o lance.

Tinga, mesmo no momento mais difícil de sua vitoriosa carreira, recebe dos amigos a grande força para seguir firme e confiante em seu retorno aos gramados.

“Sempre tive tratamento VIP no Grêmio, no Inter… Até os jogadores do Inter vieram aqui me visitar… e é nessa hora que tu vê que tua carreira vale a pena, pela relação de amizade, pela parceria. Mas posso te afirmar uma coisa: aqui no Cruzeiro eu vivo algo que nunca vivi em lugar algum. Eu tenho muita liberdade, muita afinidade com todos aqui. É diferenciado no Inter, claro. O Luigi me ligou, o Carvalho, o Dunga, o Carravetta, o Falcão. O tratamento que eu tenho aqui é incrível. As pessoas não entendem porque ganhamos. É que somos muito amigos. Não é só futebol”, explica, inclusive, a receita de sucesso do Cruzeiro.

Tinga ainda não tem prazo certo para retornar às atividades físicas. A lesão na tíbia e fíbula do volante foi semelhante a que sofreu o lutador Anderson Silva.

“A primeira coisa que você pensa é que não terá mais condição. Primeiro porque tem o preconceito da questão da idade. Quando acontece uma coisa dessas você acredita que vai para o lado mais difícil. Eu nunca lesionei sério, nunca tive nada grave. Você vai juntando uma série de coisas e a primeira coisa que você pensa é que é o fim. E não era o fim que eu sonhei para mim. Eu quero decidir a hora de parar”, comentou sobre aposentadoria.  

Leia tudo sobre: cruzeiroraposatingacampeonato brasileiro